Bolsonaro volta a defender sanção ao fundo eleitoral de R$ 2 bilhões

Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil/CP

O presidente Jair Bolsonaro indicou nesta quarta-feira, 8, que vai sancionar o fundo eleitoral de R$ 2 bilhões, apesar de seu eleitorado ser contra a decisão. Ele voltou a usar o argumento de que pode sofrer impeachment caso vete o financiamento das eleições municipais.

“O veto aos R$ 2 bilhões, daria margem para que o Presidente fosse questionado junto à Câmara dos Deputados de ‘utilizar o poder federal para impedir a livre execução da lei eleitoral'”, escreveu Bolsonaro no Twitter, menos de uma semana depois de usar esse argumento para justificar um possível recuo na ideia de vetar o fundão aprovado no fim do ano passado pelo Congresso.

Histórico

O valor cogitado pelo Congresso era de R$ 3,7 bilhões, Bolsonaro era contra. Por isso, pediu que mantivessem o fundo em R$ 2 bilhões, que foram sugeridos pelo governo. Mas depois que o Congresso aprovou esse valor, o presidente recuou e indicou que vetaria a decisão, já que muitos recursos iriam para partidos como PSL e PT.

Com informações: Congresso em Foco

1 Comentário

  1. Ah vá, em 20 e tantos anos como deputado sempre votou a favor de aumento de mamatas, aumento de salário para o judiciário, aumento de salário para políticos, contra transparência nos gastos públicos e contra responsabilidade fiscal, alguma pessoa racional achou que o “salvador da pátria mais honesto do universo” agiria diferente?

Deixe uma resposta