Vereador Diego Nasato passa por saia justa na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara de Blumenau

Foto: Denner Ovídio/CMB

“Colocar no papel é fácil, mas precisa estudo, tem que estar mais embasado. Não estamos brincando aqui,” disse Almir Vieira (PP).

“Fazer um debate realmente sério, joga para a plateia, precisa ter estudo, discussão real”, afirmou Bruno Cunha (Cidadania).

“O vereador procurou a Prefeitura? Qual a razão? Qual o estudo? Só tem questões subjetivas.” contrapôs o vereador Alexandre Matias (PSDB).

“Que saudades do (vereador) Tuca”, falou Jovino Cardoso (SD).

As afirmações foram dadas por quatro dos cinco membros da Comissão de Constituição de Justiça a pelo menos seis emendas apresentadas pelo quinto membro, Diego Nasato (Novo), ao Plano  Plurianual de Investimentos do Município para o Quadriênio 2022/2025, uma estimativa inicial de onde a Prefeitura vai aplicar neste período.

Quatro destas emendas receberam o parecer contrário da Procuradoria Jurídica da Câmara e em duas a Procuradoria indicou que deveria ser avaliado pela coordenadoria financeira do Legislativo. Os pareceres, assim como a posição da maioria da CCJ, não analisavam o mérito das propostas e sim sua constitucionalidade/legalidade.

As emendas apresentadas pelo suplente dizem respeito a relocação de verbas de um lugar para outro na administração municipal e até podem fazer algum sentido.

Mas, sem um estudo, este tipo de iniciativa gera incômodo entre os vereadores, assim  como as manifestações do parlamentar do Novo para a redução de cargos comissionados. O que muitos falam é que Nasato gosta de jogar para a torcida e acaba colocando os colegas em uma situação desconfortável.

“Já estou até vendo. Vai ter vereador no “zap”  falando que somos contra”, finalizou e sintetizou o sentimento dos pares Almir Vieira.

 

4 Comentário

  1. Na política não há amigos: há conspiradores que se unem.

    Victor Lasky

  2. Eles se merecem , cada um puxa a brasa para sua sardinha ….O NOVO de novo não tem nada , só carteirada.

  3. Vocês deveriam ter vergonha de fazer uma reportagem dessa.
    Simplesmente não colocaram o que estava em jogo. Do que essa reportagem está tratando? De um intriga entre vereadores, ou algo que está sendo votado para votação.
    Camera não é BBB, as discussões da casa são válidas ISSO É DEMOCRCIA.
    Detonaram uma pessoa sem direito de resposta para ela.
    Alguém me explica o que foi isso!?

Deixe uma resposta