Governo divulga protocolo para uso de cloroquina até em casos leves de Covid-19

Chefe interino do Ministério da Saúde, general Eduardo Pazuello. Foto: Anderson Riedel/PR

O Ministério da Saúde divulgou nesta quarta-feira, 20, o protocolo que libera no SUS o uso da cloroquina até para casos leves de Covid-19. Até então, o protocolo previa a medicação para casos graves.

A mudança no protocolo era um desejo do presidente Jair Bolsonaro, defensor da cloroquina no tratamento da doença causada pelo novo coronavírus. Não há comprovação científica de que a cloroquina é capaz de curar a Covid-19. Estudos internacionais não encontraram eficácia no remédio e a Sociedade Brasileira de Infectologia não recomenda o uso.

O protocolo da cloroquina foi motivo de atrito entre Bolsonaro e os últimos dois ministros da Saúde, Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich. Em menos de um mês, os dois deixaram o governo.

O novo protocolo mantém a necessidade de o paciente autorizar o uso da medicação.

O termo de consentimento, que deve ser assinado pelo paciente, ressalta que “não existe garantia de resultados positivos” que “não há estudos demonstrando benefícios clínicos”.

O documento afirma ainda que o paciente deve saber que a cloroquina pode causar efeitos colaterais que podem levar à “disfunção grave de órgãos, ao prolongamento da internação, à incapacidade temporária ou permanente, e até ao óbito”.

Estudos não veem eficácia

Duas pesquisas internacionais realizadas com mais de 1.300 pacientes mostraram que a cloroquina e a hidroxicloroquina não têm eficácia contra a Covid-19.

Um estudo dos EUA revelou que a taxa de mortalidade dos pacientes tratados com cloroquina foi semelhante à dos que não tomaram a droga, assim como à das pessoas que receberam hidroxicloroquina combinada com o antibiótico azitromicina – este segundo grupo teve duas vezes mais risco de sofrer parada cardíaca.

Outro estudo americano concluiu que pacientes com e sem o tratamento com hidroxicloroquina apresentaram o mesmo risco de uma piora do quadro, de necessidade de entubação e de morte.

A cloroquina ganhou projeção como possível solução para o coronavírus após a publicação de um estudo na França, em meados de março. Mas pesquisadores criticaram a metodologia e também o grupo reduzido de pacientes.

Fonte: G1

1 Comentário

  1. Mais mentiras e fakenews… bizarro!!
    O dr. Marcos da Amazônia por ex. já tratou dezenas e se curaram com o medicamento a exemplo de outros países. Pesquisem ele no youtube. E há mais uns 30 estudos de médicos e instituições que aprovam a h.cloroquina!
    https://gauchazh.clicrbs.com.br/saude/noticia/2020/04/grupo-de-professores-e-cientistas-escreve-carta-aberta-em-defesa-do-uso-da-hidroxicloroquina-para-pacientes-com-covid-19-ck8t85qio01hk01qwoc1ypi4j.html

    Na verdade eles não querem a h.cloroquina porque a patente já é vencida. Qualquer laboratoriozinho pode manipular e nenhuma “grande indústria farmacêutica” irá ganhar com este “grande negócio”, q se tornou a “pandemia”. Parece q Teich queria usar o Remdesivir, q não podemos produzir, e custa mais de R$ 1200,00, a dose , e a “cloroquina” R$ 1,50. Pra eles tudo se resume a poder e dinheiro!… Teich ñ queria comprar briga com a índústria farmacêutica gananciosa, é ela q investe nos congressos desses médicos. Teich pediu demissão por causa disso!

Deixe uma resposta