Defesa de Lula entrega as alegações finais sobre o caso do sítio

2ª reunião

O presidente Jair Bolsonaro comandará nesta terça-feira (8) no Palácio do Planalto a segunda reunião ministerial do novo governo.

A expectativa é que, na reunião, os ministros avancem nas discussões sobre:

-propostas que serão implementadas nas próximas semanas;
-revisão de contratos, exonerações e liberações de recursos;
-revisão de normas burocráticas para dar mais eficiência ao governo.

Segundo a colunista Andréia Sadi, no encontro também, o presidente deve cobrar de cada ministro as metas dos próximos 100 dias.

Armas

O decreto que facilitará a permissão para a posse de armas – já anunciado pelo presidente Jair Bolsonaro – pode incluir a exigência de o dono da arma ter um cofre em casa.

A exigência, ainda em discussão, é defendida por ministros. A medida, dizem integrantes do governo, visa garantir que a arma esteja em local seguro, fora do alcance de crianças, por exemplo.

O decreto deve sair ainda neste mês, segundo o presidente Bolsonaro.

Fabrício

Familiares do ex-motorista e ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (PSL) serão ouvidos nesta terça-feira (8) pelo Ministério Público do Estado do Rio (MPRJ). Fabrício José Carlos Queiroz foi citado em um relatório apresentado pelo Conselho de Controle de Atividades (Coaf).

Os familiares serão ouvidos pelo Grupo de Atribuição Originária do Procurador-Geral de Justiça (GAOCRIM), dando continuidade às investigações do caso. Fabrício Queiroz não compareceu ao MPRJ em duas ocasiões para prestar depoimento.

Sítio

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva apresentou, nesta segunda-feira (7), as alegações finais no processo da Operação Lava Jato que apura se ele recebeu propina por meio da reforma de um sítio em Atibaia (SP). Os advogados pedem a absolvição por “insuficiência de provas” e “atipicidade das condutas” do processo.

Lula é acusado pelo Ministério Público Federal (MPF) de:

Reforma feita pela empreiteira OAS a pedido da família Lula, com recursos de propina, no sítio Santa Bárbara, em Atibaia. Segundo o MPF, o uso do local pela família do ex-presidente comprova que, de fato, ele era o proprietário.
Ter se beneficiado, por meio das obras no sítio, com parte do pagamento de propina de pelo menos R$ 128 milhões pela Odebrecht e de outros R$ 27 milhões por parte da OAS. Segundo a denúncia, as melhorias no imóvel totalizaram R$ 1,02 milhão.
Ter ajudado empreiteiras ao manter nos cargos ex-executivos da Petrobras que comandaram esquemas fraudulentos entre empreiteiras e a estatal.

Sem base

Jair Bolsonaro avisou os comandantes militares que “não haverá nenhuma base americana instalada no Brasil durante seu mandato”, diz a Folha de S. Paulo.

“TV Bolsonaro”

A emissora de TV estatal NBR, diz O Globo, “exibiu durante a manhã de ontem uma tarja com a marca ‘Governo Bolsonaro’, que não faz parte da comunicação oficial da administração (…).

A Constituição proíbe a presença de ‘nomes, símbolos ou imagens que caracterizem promoção pessoal de autoridades ou servidores públicos’ na divulgação de atos do governo. Para o advogado constitucionalista Leonardo Vizeu, o uso da marca ‘Governo Bolsonaro’ contraria a lei.”

Nas mãos do Gilmar

Dias Toffoli tirou de Cármen Lúcia a operação Furna de Onça e repassou-a para Gilmar Mendes, diz O Globo.

A Furna de Onça prendeu deputados estaduais do Rio de Janeiro e pegou as transações suspeitas do assessor de Flávio Bolsonaro.

Com informações: O Globo, G1 e O Antagonista

1 Comentário

  1. Avisem o Ministério Público que o sítio é do coelhinho da Páscoa , do papai Noel , do Saci Perere, da mula sem cabeça ou do sucupira , menos do presidiário Luiz Inácio da Silva .

    Ele não tem nada , ele não sabe de nada , ele é perseguido politicamente , ele é alvo de um Golpe , só Deus é mais honesto que ele (conforme ele mesmo ) .

    E o pior , tem gente que defende este presidiário .

Deixe uma resposta