Advogados são a maioria como vice nas chapas à Prefeitura de Blumenau

Pode-se questionar para que serve um vice, mas é importante destacar que Blumenau hoje é governada por um, que virou prefeito há cerca de dois anos e meio.

Teve partido com muita dificuldade para achar um candidato a vice e o PCdoB e o PDT foram dois exemplos, que fecharam suas parcerias em cima da hora para disputar à Prefeitura.

Lembrando que na eleição passada o cargo de vice-prefeito era não remunerado, por uma decisão demagógica da Legislatura passada, que retirou o salário como forma de expor o então vice-prefeito Jovino Cardoso (hoje no SD). Mário Hildebrandt (então no PSB) foi eleito nesta perspectiva, mas recebeu uma secretaria criada especialmente para ele, a de Projetos Especiais e Mobilidade Urbana.

Mas já nesta Legislatura a lei foi revogada e o futuro vice será remunerado.

Nenhum dos vices colocados chega a empolgar o eleitorado, apesar do bom currículo de alguns.

Entre os candidatos a vice, Ronaldo Baumgarten (PSD) é o de maior “grife”, atraindo o apoio de grandes empresários para a chapa de João Paulo Kleinübing (DEM). Este fato não significa que será bem votado, é preciso perceber se o povão votará num empresário.

Quatro empresários vão concorrer a vice. Emil Chartouni (PSL), vice de Ricardo Alba (PSL), é o mais conhecido depois de Baumgarten. Rosângela Vieira (Avante) e Fábio Alvacyr (PRTB) também são empresários.

Advogados são cinco. Tem na chapa do Novo, Darci Debastiani, vice de Odair Tramontin. Hermes Soethe é vice do também advogado Ivan Naatz, Vanderlei de Oliveira faz parte da chapa de Ana Paula Lima (PT), Jussara Inácio na dobradinha do PDT de João Natel e tem ainda Gianini Maria Morastoni na chapa do PCdoB com Mário Kato.

A candidata a vice na chapa de reeleição, Maria Regina Soar, alia o quesito politico com o técnico, pois tem atuação forte no seu partido, o PSDB e como gestora pública na área de saúde.

O vice de Débora Arenhart na chapa do Cidadania é Gilberto Silva, líder comunitário e o vice do PSOL, em dobradinha com Georgia Faust, é Joel Rodrigo Howe, motorista de aplicativo.

1 Comentário

  1. A população precisa estar atenta e cobrar do candidato a prefeito , por escrito, assinado e reconhecido em cartório , que vai cumprir os quatro anos de mandato . Chega de elegermos pessoas para um determinado cargo e dois anos após , deixam o cargo para tentar outras candidaturas . Meu pai falava e eu acredito nele até hoje , que palavra data , é como flecha atirada , não tem volta . Mas de político , somente assinado e reconhecido em cartório , e olhe lá .
    Vejam o candidato Alba , eleito vereador , deixou o cargo em 2 anos para ser deputado , passou-se mais dois anos , já quer largar o cargo de deputado para ser prefeito ….como confiar ?
    E assim serão os novos candidatos a vereança , exijam por escrito que não deixarão o cargo , pois todos sabemos que só a palavra , não basta , pelo menos para eles .

Deixe uma resposta