A voz desta paralisação dos servidores públicos em Blumenau

Ele não usa barba, nem camisa vermelha. Na maioria das vezes está “engomadinho”, termo usado para aqueles que se vestem alinhados. Não grita e não fala palavras de ordem.

Mas é agudo, contundente e bem articulado na defesa dos direitos dos trabalhadores e nas críticas à administração Mário Hildebrandt (sem partido).

Este é o médico Mário Kato, que destaca-se como liderança no movimento grevista em Blumenau, que completou 18 dias nesta terça-feira. Geriatra, ajudou a criar o Centro de Saúde do Idoso, que é modelo para outras cidades.

No movimento dos servidores, é o cara que fala nas assembleias, participa das mesas de negociação, das conversas com os representantes dos locais de trabalho e também trabalha a comunicação. Neste quesito, tem gravados videos para as redes sociais, em tom professoral, com um quadro de giz com números, que confesso, acho muito didáticos, sem entrar no mérito se os dados apresentados são realmente aqueles. Confira o canal.

Está há 10 anos como médico concursado da rede pública de Saúde de Blumenau e desde cedo se aproximou do movimento sindical. Não é filiado a partido político.

Sua ascendência sobre o movimento de agora percebe-se onde a paralisação está localizada, na saúde, em cerca de 20 postos de saúde.

7 Comentário

  1. “que coisa não” assim dizia o Quico da série Chaves. É obrigado a faltar dinheiro, ganha mais de 13 mil por mês para trabalhar 20 horas semanais?
    Fonte: Portal da Transparência.

  2. Kato é um exemplo de trabalhador que não se esconde atrás de seu diploma. Ele representa a verdadeira luta de classes, pois sua simplicidade se mistura entre as ditas minorias. Sua inteligência não é soberba por isso tem se destacado.

  3. Os servidores conhecem o portal transparência da prefeitura… mas a população no geral não. E o Kato soube mostrar isso em video… Valeu kato!!!

  4. Mário é mais uma voz esclarecida dos servidores que não aceitam o descaso deste governo medíocre.

  5. Engraçado a mídia querer ligar quem está na greve a partidos, quando não conseguem se espantam. A luta de classe não tem partido, é ele, nós, vós. Só queremos o que é nosso, INPC é lei, queremos negociar ele para esse ano, o prefeito insiste em querer empurrar pro próximo ano.
    Parabéns ao Kato, merece o reconhecimento.

  6. Parabéns pela reportagem. Descreveu bem a pessoa do Mario Kato. Educado, inteligente, trabalhador, e recebe seus 13 mil por merecimento. Fez faculdade, se especializou e com certeza mantém seu conhecimento em constante atualização. Isso custa caro e ninguém nos paga para isso. Eu atuo como enfermeira especialista em saúde da família e não ganhei nenhuma ajuda pra pagar minha especialização.
    Agora chega de falar o Mario Kato…falemos do INPC. É lei. Pronto falei.
    Lei não se discute se cumpre.
    Deus seja louvado

Deixe uma resposta