Uma tensa, mas necessária, conversa entre lideranças empresariais e os vereadores de Blumenau

Foto: Informe Blumenau

Foi, literalmente, uma reunião para limpar roupa suja, a realizada nesta segunda-feira pela manhã na Câmara Municipal. Diga-se de passagem, era uma das metas do presidente da Câmara, Marcelo Lanzarin (MDB). Ouvir, explicar o que está sendo feito, limpar a área e tentar trilhar caminhos comuns daqui para frente.

De um lado, seis vereadores e um assessor: o próprio Marcelo Lanzarin (MDB), Professor Gilson (PSD), Almir Vieira (PP), Alexandre Caminha (PP), Ito (PL) e Adriano Pereira (PT), além do assessor do vereador Bruno Cunha (PSB). De outro, lideranças de entidades como ACIB, FIESC, OAB, Observatório Social, Intersindical Patronal, AMPE e Codeic, entre elas, Ulrich Kuhn e Avelino Lombardi.

O clima de tensão começou na largada, quando o vereador Almir Vieira questionou a presença da imprensa, no caso, deste jornalista e do Informe Blumenau. Presença autorizada, o presidente Lanzarin explicou os objetivos da conversa e todos puderam falar.

Avelino Lombardi disse que as entidades nunca estiveram contra os vereadores, mas reconheceu excessos em campanhas como a “Sem duplicação, não tem reeleição”. Disse que o Brasil clama pela redução do tamanho do Estado. Tanto ele, quanto Ulrich Kuhn, lembraram o debate, promovido pelas entidades já na eleição de 2016, de reduzir o repasse do duodécimo para 3% do orçamento do Município.

Os vereadores Caminha e Almir foram os mais contundentes em seus argumentos. “Esta falsa moralidade de economizar” e “a sociedade bate em nós por conta dos empresários” foram expressões usadas por Vieira e “Vocês não estão no dia a dia” e “saiam candidatos” foram falas usadas por Alexandre Caminha.

Os vereadores Ailton de Souza e Adriano Pereira também se manifestaram de forma crítica a postura das lideranças, mas foram mais ponderados. O petista lembrou algumas situações que a Câmara de Blumenau não tem, na comparação com outras Câmaras e casas legislativas no país, como 13º salário, recesso de julho e pagamento por sessões sessões extras.  Ito falou da falta de representatividade política de Blumenau e da necessidade de unir esforços.

Além do debate sobre a redução do duodécimo, as medidas de economia que estão sendo adotadas, a situação da publicidade, da nova sede do Legislativo, representatividade eleitoral foram debatidos no encontro, que durou duas horas.

Ao final, o diretor Legislativo Clésio Fabeny, um dos idealizadores destes encontros com as lideranças, falou que o objetivo é um só, unir esforços pelo bem da cidade.

Para fazer o fechamento, o presidente Marcelo Lanzarin falou, por cima, das medidas que estão sendo adotadas pela Câmara no sentido de redução de gastos, o que você confere neste link.

Foi um passo importante. Percebi que nem todos desarmaram os espíritos – dos dois lados – , mas a porta do diálogo foi aberta. Novos encontros deverão acontecer em breve.

Blumenau precisa da união de todos. As lições da desunião assistimos ano após ano, mas ela foi mais sentida no pleito de 2018.

É preciso pensar nisso.

 

1 Comentário

  1. Só firulas, então!

    Não tem um, com colhões: nem empresário, nem vereador!

Deixe uma resposta