Os empresários e o presidente Temer

Foto: Marcos Corrêa/PR

Representantes das entidades empresariais do Sul do Brasil reuniram-se nesta terça-feira, 19, com o presidente Michel Temer (MDB), em encontro no Palácio do Planalto.

Representando Santa Catarina, estava o presidente da FIESC, Glauco José Côrte, que defendeu junto ao presidente da República, Michel Temer, a aceleração das parcerias público-privadas como forma de proporcionar sustentabilidade ao desenvolvimento e gerar empregos com a ampliação dos investimentos.

Para os empresários, Temer fez um balanço das reformas aprovadas no âmbito do Congresso Nacional e apresentou os motivos do adiamento da votação da reforma da Previdência, ao decretar a intervenção na segurança pública do Rio de Janeiro – uma intervenção federal em um Estado impede qualquer emenda constitucional. As falas do presidente parece que agradaram.

“O presidente da República explicou que o governo teve que tomar uma decisão difícil, mas que considerou a questão da segurança mais prioritária e urgente” e  “A reforma da previdência continua na pauta do governo e assim que for possível o governo retomará o seu encaminhamento junto ao Congresso Nacional”, foram afirmações de Côrte.

O presidente da FIESC relatou também que Temer detalhou o conjunto de 15 medidas que o governo está pautando no Congresso Nacional, incluindo a simplificação tributária, regulamentação do teto remuneratório, reforço das agências reguladoras, redução da desoneração da folha e cadastro positivo.

“Ele pediu apoio do setor industrial considerando que essa micro reforma, de fato, tem um impacto imediato na vida dos cidadãos e dos contribuintes e que seria muito importante contar com o apoio do setor produtivo”, informou o presidente da FIESC.

Pois é.

2 Comentário

  1. Alcino Carrancho, Aquele Que Nestas Próximas Eleições Somente Votará em Candidato "Zero Quilômetro" disse:

    Se fosse eu que mandasse, esse vampirão já estaria preso sem direito a visita íntima, kkkkkk, ahahahahah, eheheheheh, ihihihih, ohohohoh, uhuhuhuhuh…

  2. Setor produtivo leia-se: CONTINUAR ESFOLANDO OS TRABALHADORES…
    Enquanto que o setor POLÍTICO CONTINUA A ESBANJAR a arrecadação dos ESFOLADOS
    Qual a CONTRIBUIÇÃO E O APOIO DO EXECUTIVO, DO LEGISLATIVO E DO JUDICIÁRIO???
    Esta conta não fecha Sr.Presidente!!!!
    E cobrar dos DEVEDORES – EMPRESAS E BANCOS – DÍVIDAS DA PREVIDÊNCIA –
    QUANDO SR.PRESIDENTE???

Deixe uma resposta