O que indica as primeiras nomeações do segundo mandato de Mário Hildebrandt

13 dias depois da posse, mais de 45 depois de eleito, o prefeito Mário Hildebrandt (Podemos) anunciou os quatros primeiros secretários municipais desta sua segunda gestão. Confirmou quatro que tinham a permanência considerada certa no novo Governo. André Espezim na Comunicação, Paulo Costa Gestão Governamental, César Botelho, na Chefia de Gabinete e Paulo França no Samae, acumulando com a Secretaria de Mobilidade Sustentável e Projetos Especiais.

Paulo França como presidente da autarquia, mas ainda como titular da SEMOSP, é a novidade, Vai acumular as duas pastas temporariamente, mas em breve ficará apenas no Samae. Tem experiência e conhecimento para a função  – esta e muitas outras na esfera pública -, apesar que muitos torcem o nariz sobre sua longeva participação na política e governos municipais.

Existe a brincadeira que França estava aqui quando Dr. Blumenau começou a organizar as coisas por aqui. Eu, por exemplo, o conheço desde que cheguei a Blumenau, em meados da década de 1990, quando era secretário de Renato Vianna. De 1995 para cá esteve presente, de uma forma ou outra, na administração de quase todos os prefeitos, com exceção de João Paulo Kleinübing. Além de Vianna, Décio Lima, Napoleão Bernardes e Mário Hildebrandt.

Apesar do senso comum ir ao contrário, entendo que a presença dele em todos estes governos, de diferentes partidos, apenas reforça sua capacidade para atuar em qualquer área da gestão pública. Conhece os processos, conhece os caminhos e sabe administrar, o que motivou o prefeito fazer o anúncio nesta quarta-feira.

O Samae estará no centro dos holofotes deste segundo mandato, pois algumas questões que dizem respeito a autarquia precisam ser explicadas – como o recente episódio da operação policial que investigou um esquema para desviar recursos públicos para a campanha eleitoral de um candidato a vereador através do pagamento de hora extra -, e outras vir a público, pois o MP também investiga outras situações, que devem avançar ao longo de 2021.

Vira e mexe se especula que algumas suspeitas sobre o Samae possam virar CPI na Câmara Municipal. Se vai acontecer, não sei, mas será sempre uma espada em cima da administração municipal e a indicação de França neste momento de instabilidade que a autarquia pode passar exige requisitos profissionais que o eterno secretário tem.

A mudança alivia o trabalho de Michael Schnaider, que acumulava o Samae com a Secretaria de Serviços Urbanos, onde permanece. Ele é outro nome certo nesta largada do segundo mandato.

A nomeação, com direito a foto oficial, também serve para afastar especulações sobre a pasta que seria ocupada por César Botelho, chefe de Gabinete do prefeito, onde permanecerá. Ele é o para-choque do prefeito, tem a responsabilidade institucional de conversar, ouvir e avaliar os pleitos de vereadores e partidos, o que gera desgastes, mas Hildebrandt sinaliza sua confiança ao confirmar sua permanência.

Já os outros dois nomes não havia dúvidas. Paulo Costa é a memória deste Governo, detém todas as informações e conhece como poucos o funcionamento da máquina administrativa, permanecendo na secretaria de Gestão Governamental. André Espezim talvez seja o mais próximo de Mário Hildebrandt do ponto de vista pessoal, é seu fiel escudeiro há pelo menos 10 anos e na secretaria de Comunicação tem a responsabilidade de fazer a interlocução e os veículos de imprensa, além de ser um dos articuladores políticos do prefeito.

Espezim, Botelho e Paulo Costa estiveram na coordenação da campanha vitoriosa da reeleição.

Os demais indicados para o secretariado devem ser conhecidos na próxima semana, ainda não na totalidade.

2 Comentário

  1. Critério Técnico??…puramente politico e contraditório…perguntem aos servidores de carreira o acham destas nomeações??? Talvez não lhe responda pelo fato de estarem com medo de expor suas opiniões por haver retaliações… ou que dependem de uma Gratificação de função. Caso contrario seriam por eles seriam exonerados. Vergonhoso…

  2. Negociações políticas dos partidos e dos vereadores . Tem gente escolhida que nunca trabalhou na iniciativa privada , vive de cargos comissionados a anos , mas não por competências e sim porque é filho deste ou genro daquele ou porque é filiado a algum partido.
    Será que acreditam que ainda existe quem acredite neles ?
    Vejam quem o Deputado Ivan Naatz encostou na assembleia recentemente ? Dois ex vereadores que tomaram pau nas urnas , mas já se encostaram em algum lugar.
    Nada mudou na política , a festa continua .

Deixe uma resposta