O Conversa na Rede Especial e a busca da pluralidade do Informe Blumenau

Os mais próximos sabem do meu incomodo com o estágio atual do jornalismo e da minha atividade profissional. Não tenho do que reclamar da profissão que mirei desde a saída da adolescência e passei a exercer, de fato em 1992. Me permitiu realizar a minha vontade de vir morar em Santa Catarina, criar filhos, crescer, aprender, conhecer pessoas, histórias e mundos tão distintos que só o jornalismo possibilita. Em especial, aquele com a câmera desligada, o microfone no chão e o lápis no bolso, para os mais românticos.

Saber ouvir, para poder contar. Saber do que fala, conhecer os diferentes pontos de vista, condensá-los e apresentarmos para quem vai consumir a noticia.

Mas nem nós, jornalistas, nem quem lê, está muito interessado, sobre diferentes argumentos. O tempo, sempre ele, é o maior culpado. No caso, a falta dele. E as convicções já pré-estabelecidas pesam muito na terra de ninguém que se transformaram as redes sociais, que  nos conectam de forma tão beligerante quando falamos e escrevemos sobre JORNALISMO e POLÍTICA.

O Informe Blumenau é isso, Jornalismo e Política, mesclando Informação e Opinião, uma tarefa arriscada e espinhosa. Encerra mais um ano com sentimento de que poderíamos ter feito mais, porém com a convicção de dar mais um passo para a consolidar um portal que abre espaço para todas as correntes de pensamento, mas sem nunca abdicar do que aprendemos como seres humanos e como profissionais.

E como lembrança, quero exibir um recorte do que representa parte da equipe de colaboradores, voluntários, que com seus textos e gravações analisam temas diversos, como inclusão, política, saúde mental, cotidiano, religião e até esporte.

Na última quarta-feira, 15, foi ao ar o último Conversa na Rede de 2021, onde eu, Alexandre, Danubia de Souza e Marco Antonio André, recebemos Franciele Back, Simone Gadotti, Antônio Gomes da Rosa, Josué de Souza e Tarciso Souza, que tem espaço cativo no Informe. Além deles, nos bastidores sempre, está Fernando Krieger, nosso produtor, pessoa decisiva na construção do Informe.

O programa foi muito divertido, convido a todos a assistirem aqui.

Mas se não der, convido a todos a dar uma olhada na parte final, que está abaixo. Eles se manifestam sobre o que querem para estas festas e para o ano que começa.

Feliz e emocionado com as palavras dos colegas amigos, feliz pelo Informe e pela jornada que encerramos mais um ciclo simbólico, que é a renovação de um ano.

Muito obrigado. E feliz 2022, que vamos construir!

 

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta