A liderança de Paulinha na Assembleia e a postura dos colegas Naatz e Alba

Foto: Facebook

A recente indicação da deputada Paulinha (PDT) para ser a líder do governo Carlos Moisés (PSL) na Assembleia Legislativa, anunciada na semana passada, repercute bastante, com reflexos em Blumenau também.

O deputado Ricardo Alba (PSL), principal aliado do governador optou pelo silêncio, e o deputado Ivan Naatz (PL), hoje oposição ao Governo, pela metralhadora giratória.

Naatz, de olho no eleitorado mais fiel a Bolsonaro, esqueceu inclusive de seu passado de PDT. Disse que a deputada é filiada ao partido do “Foro de São Paulo” e que foi líder da juventude socialista, além de ter votado em Lula e Dilma, ambos do PT.

Naatz só não menciona que, num passado não muito distante, em 2012, se elegeu vereador pelo próprio PDT, partido onde também foi suplente de deputado estadual e concorreu a prefeito de Blumenau em 2016, portanto há quatro anos.

Já Alba, que está no meio de um fogo cruzado entre colegas do próprio PSL, desgostosos com o governo Moisés, foi tirado do silêncio por este jornalista. Queria saber como ele avalia a indicação.

“Foi a escolha dele (governador), não sei o que motivou, mas pelo que eu soube o nome dela foi indicado por um bloco de onze deputados, de partidos diferentes”, disse, afirmando que ele não pertence a este bloco.

“…o nome dela não foi escolhido pelo viés ideológico, foi escolhido por este bloco, é uma decisão pragmática do governador”, finalizou o deputado Alba.

1 Comentário

Deixe uma resposta