YouTube muda termos de uso e pode excluir canais “comercialmente não viáveis”

Foto: reprodução

Um nova mudança nas políticas de uso do YouTube vem causando reclamações de influenciadores e celebridades da internet: pelos novos termos de uso estabelecidos pela plataforma na última semana, o YouTube agora se dá o direito de excluir vídeos e canais inteiros caso eles “não sejam comercialmente viáveis”. Em outras palavras, a comunidade entendeu que se o vídeo que você publicar não gerar receita para o YouTube, ele pode ser removido da rede.

“O YouTube pode terminar o seu acesso, ou o acesso de sua conta no Google para todo ou parte do serviço caso o YouTube acredite, por sua própria discrição, que a oferta do serviço para você não é mais comercialmente viável”, aponta a nova regra. A mudança começa a tomar efeito a partir de 10 de dezembro, mas isso não impediu que algumas pessoas exibissem seu descontentamento agora.

O problema todo reside na forma como a apresentação dos termos foi feita: o site Mashable levanta a possível interpretação de que a atualização dos termos de uso seja feita especificamente para coibir discursos mais nocivos: vídeos racistas, ofensivos a gênero, sexualidade ou advoguem algum tipo de preconceito ou intolerância, por exemplo, não são “comercialmente viáveis”. Entretanto, o próprio site também aponta que a forma como isso foi formulado da documentação final gera espaço para dúvidas, e o Google deveria ser mais específico quanto a esse tipo de mudança.

Ademais, os termos atualizados não mencionam apenas o canal, mas também a conta do usuário como passível de exclusão. Em outras palavras, não apenas o YouTube, mas a pessoa excluída também perderia acesso ao Gmail, Maps, Drive e outros serviços que a empresa atrela sob o mesmo login.

No Reddit, a discussão também segue acalorada, com um post sobre o assunto chegando a 32 mil votos positivos e mais de 2 mil comentários.

O Google foi buscado pela mídia, mas ainda não respondeu à discussão em caráter oficial.

Fonte: Mashable

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta