Os dias de tranquilidade do ex-deputado João Pizzolatti

Foto: Facebook pessoal

Acostumando com os holofotes da política, nos últimos anos o ex-deputado federal João Pizzolatti estampava mais as páginas policiais, apesar de não ter sido preso, mesmo com tantas acusações contra ele.

Quando o escândalo do mensalão veio a tona, o ex-homem forte do PP foi chamado de “homem da mala”, pelo jornal Folha de São Paulo. Está denunciado na Operação Lava Jato por corrupção passiva e ocultação de bens.

Em março esteve entre a vida e a morte, ficando quase um mês na UTI, depois de um incidente ocorrido na casa dele, em Roraima, onde ocupa o cargo de secretário de Relações Institucionais do governo. Ele caiu da escada e sofreu traumatismo craniano e perfurações no pulmão. Esta foi a versão oficial.

No último final de semana, com discrição, voltou a Pomerode, onde começou sua trajetória política, para casar-se com uma dentista, Thaionara Niehues. A cerimônia foi reservada, com poucos convidados.

Foto: Facebook pessoal
Foto: Facebook pessoal

Mas ganhou repercussão nacional  na coluna Expresso do jornalista Murilo Ramos, da Revista Época.

O PP é o partido com o maior número de denunciados na Operação Lava Jato e Pizzolatti está no centro destas investigações.

Será que a lua de mel foi tranquila?

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta