Lula em casa? O pacote anticrime, “conselhos” do FHC, a solução do vice e a comemoração do Golpe de 64

Lula em casa?

Com 12 anos e um mês de prisão, por corrupção e lavagem de dinheiro, Lula pode ir para prisão domiciliar no começo de abril.

Ministros da 5ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) vão analisar um recurso da defesa do ex-presidente que tem força para reduzir a sua pena.

Além deste pedido, dia 10 de abril, o Supremo Tribunal Federal (STF) vota de forma definitiva a constitucionalidade da prisão em segunda instância.

Lula nas mãos desses tribunais.

Se acontecer, Lula “quase” livre.

O “superministro”

Major Olímpio, líder do PSL no Senado, admitiu à Folha, que o pacote anticrime do “superministro” também pode ser barrado pelos senadores.

“Quando se faz política de uma nova forma, a dinâmica muda. Nem todos podem ser convencidos por ideias e conhecimento.”

FHC dá “conselhos” ao Bolsonaro

Em seu Twitter – para que o presidente visualize -, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso disse “maltratar quem preside a Câmara é caminho para o desastre”.

“Paradoxo brasileiro: os partidos são fracos, o Congresso é forte. Presidente que não entende isso não governa e pode cair; maltratar quem preside a Câmara é caminho para o desastre. Precisamos de bom senso, reformas, emprego e decência. Presidente do país deve moderar não atiçar.”

O vice tem uma saída para a “guerra fria”

Ao blog da Andréia Sadi (G1), o vice-presidente Hamilton Mourão disse que o momento é de “colocar a bola no chão”, ter calma e conversar para não prejudicar a reforma da previdência e outros temas caros ao país.

Sobre a “guerra fria” entre Rodrigo Maia e Jair Bolsonaro, o vice mais uma vez foi a voz do equilíbrio:

“Parece briga de rua. Precisa acalmar as bases. O momento é de clareza, paciência e determinação”.

E sobre uma solução: “Conversando, né? Precisa conversar”.

Não sou o pregador de Mourão na presidência, mas que tem gente pensando nisso, tem!

Comemoração do golpe militar

Fã do regime, o presidente Bolsonaro está pretendendo comemorar o aniversário do golpe militar de 31 de março de 1964, que implantou uma ditadura que durou 21 anos no país.

Segundo o jornal O Estado de S.Paulo, Bolsonaro “orientou os quartéis a comemorarem a ‘data histórica’ do aniversário do dia 31 de março de 1964”.

Porém, de acordo com o jornal, “Generais da reserva que integram o primeiro escalão do Executivo, pedem cautela no tom para evitar ruídos desnecessários diante do clima político acirrado e dos riscos de polêmicas em meio aos debates da reforma da Previdência”.

Resumo do Brasil: Lula em casa? O pacote anticrime do “superministro”, FHC e os “conselhos” a Bolsonaro, a saída do vice para a “guerra fria” e a comemoração do Golpe Militar de 64.

1 Comentário

  1. Lula em prisão domiciliar , será a derrocada da justiça no Brasil . Chefe de quadrilha em prisão domiciliar , só no Brasil .

Deixe uma resposta