Eleições 2016: 11 partidos prometem ter candidatos a prefeito de Blumenau

Uma das coisas que o João Paulo Kleinübing (PSD) mais falou durante a entrevista na rádio Nereu Ramos no programa Preto no Branco, na última sexta-feira, é de que “ninguém é candidato a vice”, sobre o posicionamento dos partidos lançando candidaturas a prefeito de Blumenau.

Tem razão ele. Faltando cinco meses para as eleições, as principais siglas se movimentam colocando o bloco na rua como cabeça de chapa. Mas boa parte pode aceitar de bom grado um lugar de vice.

Entre os que começam a se movimentar  está o PP, hoje na base governista. Na semana que passou realizou uma reunião com os pré-candidatos a vereador, quando o sentimento por uma candidatura própria foi quase um consenso interno.  E o nome é o de Roni Wan-Dall, secretário municipal de administração e suplente de deputado estadual.  Como o Informe já havia anunciado, ele deixa a secretaria em maio por conta da legislação eleitoral, que prevê desincompatibilização em até quatro meses para os interessados em concorrer a chapa majoritária.

PP encontro

Outros dois partidos da base que se movimentam para candidatura própria são o PR e PSB. Mário Hildebrandt inclusive participará, em Brasília, de um curso nacional do PSB para debater diretrizes programáticas e eleitorais. Já o PR busca um nome, provavelmente o do vereador Robinson Soares, o Robinho.

Tem ainda o Alexandre José (PRB), liderando um grupo de cinco partidos pequenos. É o candidato que aparece melhor colocado nas pesquisas internas, mas ainda aposto nele como candidato a vice em alguma chapa mais estruturada.

Do lado oposicionista, PDT e PCdoB também se movimentam e promoveram reuniões no final de semana. Arnaldo Zimmermann mantém o nome para prefeito e garante ser irreversível a decisão. Uma reunião no dia 7 definirá a estratégia e prioridade da Executiva estadual do PCdoB para o pleito em Blumenau.

Já os pedetistas, agora pacificados internamente, reforçam a possibilidade de candidatura própria, sem no entanto afastar a hipótese de ser vice numa chapa de oposição ao prefeito Napoleão Bernardes (PSDB), de acordo com o vereador Ivan Naatz .  Além dele, outro nome para concorrer a prefeito é o de Roberto da Luz.

PDT encontro

A grande incógnita do processo é o PMDB. O reitor João Natel, presidente da Comissão Provisória Municipal, tem o mês de maio para definir a situação na FURB.  Caso queira sair candidato, tem que se desincompatibilizar também até dois de junho. Como seu mandato na universidade vai até 2019, busca alternativas internas. Por enquanto, pareceres jurídicos dão conta de que, caso decida ser candidato a prefeito, teriam que ser convocadas novas eleições para a reitoria.

Independente da definição de João Natel, um interlocutor próximo a ele garante que o PMDB terá candidato. Neste caso com outro médico na linha de frente, Marcelo Lanzarin, recém filiado.

O PT anunciou o nome da deputada Ana Paula Lima e então conta hoje com três pré-candidatos. O PSOL também terá candidata, Georgia Faust.

O PSD terá Jean Kuhlmann e o PSDB Napoleão Bernardes. Os dois devem repetir a disputa de 2012 e polarizar os debates, abrindo espaço assim para candidaturas alternativas.

São 11 possibilidades, mas vejo que pode cair pela metade na reta final.

1 Comentário

  1. Falta candidato que tenha capacidade para o cargo.Muita quantidade com baixíssima qualidade.

Deixe uma resposta