80% dos trabalhadores do transporte coletivo devem ir para a nova empresa

Foto: Fabrício Theophilo / Informe Blumenau

A tarde desta segunda-feira foi movimentada nas questões relacionadas ao transporte coletivo. Antes da assinatura do contrato com empresa Piracicabana, representantes do sindicato que representa os trabalhadores, o SINDETRANSCOL, estiveram na prefeitura reunidos com os empresários. Falaram sobre a vinda das operações para Blumenau e afinaram as relações para garantir que as dificuldades relacionadas ao transporte coletivo, estejam superadas de uma vez por todas.

O Sindicato se assegurou que a empresa respeite a convenção coletiva dos trabalhadores. Com isso, os cerca de 80% de trabalhadores que aceitaram migrar do Siga para a nova empresa, terão assegurados após a contratação o vale alimentação já no dia primeiro de fevereiro, e 40% do salário no dia 20 de fevereiro.

Foto: Fabrício Theophilo / Informe Blumenau
Foto: Fabrício Theophilo / Informe Blumenau

Assim que a reunião terminou, o grupo se deslocou até o terminal da Fonte onde mais de mil pessoas aguardavam, entre eles os trabalhadores das empresas que compõem o Siga e alguns familiares. Segundo o sindicato, foi a maior assembleia da história do Sindetranscol, que tem nove anos.

Repassaram aos trabalhadores o que ficou acordado na reunião. Falaram ainda sobre as possíveis tentativas judiciais do Siga de retomar o transporte coletivo em Blumenau, e decidiram: se isso ocorrer, entram em greve até que todos os salários atrasados e obrigações trabalhistas sejam pagos. Até o Siga conseguir na justiça uma decisão dessas, provavelmente a nova empresa já terá iniciado os trabalhos e os trabalhadores já terão saído de uma empresa e ido para a nova. Mas a ameaça de greve deixa clara uma mensagem: “Siga, não trabalharemos mais pra vocês”.

Foto: Fabrício Theophilo / Informe Blumenau
Foto: Fabrício Theophilo / Informe Blumenau

O sindicato enfatizou ainda que a Piracicabana apenas contratará funcionários que tenham recebido a baixa na carteira de trabalho pela empresa atual (Glória, Verde Vale ou Rodovel), para evitar correr o risco de assumir os passivos trabalhistas. O Sindicato segue na defesa dos trabalhadores buscando uma solução junto as empresas do Siga, mas se não conseguirem, avançarão para uma rescisão indireta – um tipo de demissão por justa causa que favorece o trabalhador.

Conversamos com Léo Bittencourt, advogado do Sindetranscol, sobre alguns destes assuntos. Confira:

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta