TV Informe: o vídeo do deputado federal preso por atacar o Supremo e os limites da Liberdade de Expressão

Foto: reprodução

Demorei para assistir o vídeo do deputado Daniel Silveira (PSL), que motivou sua prisão em flagrante pela PF a pedido do ministro do Supremo, Alexandre Moraes. Confesso que ouvi e li a imprensa nacional usar a palavra “ataque” às manifestações do parlamentar carioca e fiquei com uma pulga atrás da orelha, pensando nos limites da crítica e da liberdade de expressão.

Depois de ver e ouvir o vídeo, a palavra ataque me parece muito apropriada. Tenho dúvidas se a prisão em flagrante é o melhor mecanismo, mas um cidadão – e ainda mais um deputado federal – não pode falar o que ele falou sem ser reprimido. Está muito longe de crítica – e olha que a maioria das críticas relacionadas ao Supremo são corretas, assim como aos demais Poderes – e  são sim ataques pessoais, de baixo nível e incitação a violência, o que já é inadmissível contra qualquer ser humano, além de ser uma afronta à Democracia.

Chamou o ministro do Supremo Édson Fachin de mimado, moleque, mau-caráter, marginal da lei, associado a partidos “narcotraficantes”, chamando o Supremo de “arcabouço do crime”.  “Você integra a nata da bosta do STF”, afirmou também.  “O pessoal está cansado de sua cara de Filha da Puta, seu vagabundo”, nominando textualmente uma pessoa, no caso, um ministro da mais alta Corte Jurídica do país.

“Fachin, se não gostou de algo que eu falei, foda-se”, disse um parlamentar da Câmara do Deputados sobre uma membro de outro Poder Constituído.

“Quantas vezes imaginei você tomando uma surra, não estou fomentando a violência, só estou imaginando. Você sabe que qualquer pessoa que pensar em te dar uma surra com gato morto não pode ser preso”, vociferou.

“Suprema Corte  é o cacete”, sugerindo que os ministros do Supremo deviam renunciar. “O Judiciário no Brasil tem feito um morte de merda e quando chega aqui, no STF,  vocês terminam de cagar a porra toda.”

Enalteceu o AI 5, período marcado pela Ditadura Militar. E fez várias ameaças, dizendo que não tem medo dos ministros do STF e ameaçando, “sei com quem vocês andam, onde vão”.

Nem falo na questão negacionista do deputado, seguindo a linha bolsonarista de criar narrativas próprias para conversar e ampliar sua bolha de influência.

O princípio da Democracia é o respeito ao outro, mesmo na discordância. Este deputado medíocre se passou em todos os limites e precisava e precisa ser penalizado.

Mas confesso que tenho dúvidas do caráter pedagógico da prisão de Daniel Silveira, pois parece que posturas como estas reverberam bem em boa parte dos brasileiros e este parlamentar que é conhecido pela truculência e polêmica ganhe mais Ibope.

4 Comentário

  1. Acho que pra um deputado está muito errado acho que devia ser cassado mais acho muito difícil de acontecer acho que faz parte dá família Bolsonaro

  2. Chora PTralhada!!!

    O deputado Daniel Silveira me representa, e acredito que a maioria da população que está cansada dos Deuses do Olimpo, regados à vinhos caros, lagostas, segurança particular e muitas outras regalias. Estão lá, não por meritocracia, mas por indicação, todos com viés político x ideológico.

    Aqui em nosso estado, deputado parecido, de peito e de raça, só temos mesmo, o deputado Jessé Lopes.

  3. penso que todos temos o direito de expressar nossa opinião e pensamento, porém devemos sempre ter respeito para com todos…faltou com respeito e educação.

  4. Mais viés ideológico que o dos bolsonaristas não existe… esse deputado tem que permanecer preso. Aliás, o “presidente” da república também já deveria estar preso, bem bem do país.

Deixe uma resposta