Técnicos do TCE recomendam suspensão da licitação da duplicação da Ponte Adolfo Konder

Foto: divulgação PMB

Nove empresas apresentaram propostas para fazer a obra de duplicação da Ponte Adolfo Konder, no centro de Blumenau. O prazo foi no último dia 22, quarta-feira.

Mas praticamente no mesmo dia, a equipe técnica do TCE encaminhou parecer ao relator Herneus de Nadal onde pede a sustação da licitação depois que a Prefeitura recebesse as propostas, evitando definir vencedores até as denuncias de irregularidades serem ou não confirmadas.

Herneus de Nadal ainda não se manifestou, o que deve acontecer em breve.

O questionamento levado em conta pela Diretoria de Contratações e Licitações do TCE foi sobre a possibilidade ou não de empresa em recuperação judicial participar da disputa. Parece uma coisa menor, mas…

Algumas situações se repetem, em mais um processo licitatório da Prefeitura de Blumenau.

O denunciante mais uma vez é Paulo Machado, ex-assessor do vereador Jefferson Forest (PT), conhecido nos bastidores da política.

E mais uma vez, come-se bola em processo licitatório na cidade.

Se o corpo técnico do TCE avalia a questão legal e diz que tem problema, fato recorrente na administração municipal nos últimos tempos, será que eles estão errados? São implicantes? Ou tem interesses difusos?

Paulo Machado cumpre seu papel de cidadão, mas é um agente político. Mas e os técnicos do TCE?

É importante que a Prefeitura faça esta avaliação. Não é possível que toda suposição – nem digo denúncia – acolhida pelos órgãos que tem esta responsabilidade seja fruto de uma conspiração orquestrada pela oposição.

Sobre o parecer da equipe técnica do TCE leia aqui: relatorio ponte (3)

 

 

3 Comentário

  1. kkkkk
    E lá se vai a ponte…
    OPS PONTE???? Que ponte????
    Torna-se inadmissível haver participação nas licitações públicas com empresas em recuperação judicial… (e se a recuperação não vingar???)
    Quem fica no prejuízo …..
    Precisa desenhar???
    Afinal o dinheiro É NOSSO, SUADO IMPOSTO.
    LAMENTÁVEL E LASTIMÁVEL…
    Acorda BLUMENAU… este ano temos eleições

  2. O questionamento levado em conta pela Diretoria de Contratações e Licitações do TCE foi sobre a possibilidade ou não de empresa em recuperação judicial participar da disputa.

    É óbvio que uma empresa em RJ não deva participar da licitação , se não teve competência para gerenciar seu próprio negócio e requereu RJ , como terá competência e capacidade financeira para a obra ?

    Em todas as licitações de médio e grande porte da PMB ocorrem interferências do TCE , será porque ? Falta de competências dos secretários e funcionários que fazem e avaliam as licitações?
    É proposital para gerar contratos emergenciais ? Ou já é algo combinado com as empresas que participam do certame ?
    Algo errado existe , o difícil é descobrir , ou não .

  3. Cancele o edital e permita as RJs de participar entao. O que não da é se enrolar continuar a licitação e depois ela ser cancelada pelo TCE…

Deixe uma resposta