Ser de “esquerda” nos tempos atuais é tema do Conversa na Rede desta quinta-feira

Sim, vou arranjar para a cabeça. Mas é importante a reflexão.

Nos tempos atuais, ser rotulado de esquerda é pejorativo, pelo menos para o senso comum, que não é o senso de todos.

Aliás, esta diversidade – de opiniões, de ideias, de convicções, de tudo – é uma das características de quem se enquadra neste espectro de esquerdista, diferentemente de quem se apresenta como Direita, que quer determinar quem pode ou não assistir ou ler determinada coisa e ditar regras de acordo com suas convicções.

Esquerdista não é necessariamente ser comunista, socialista, ou afins, como existem muitos. É ter uma visão mais igualitária de sociedade, infelizmente utópica.

Ainda mais com a herança deixada pelo PT, no que tange a corrupção e ao descontrole da economia na reta final do Governo.

A população, o eleitor, tem toda razão para repelir os partidos considerados de esquerda. Não tiveram competência, quiseram manter-se no poder a qualquer custo e profissionalizaram a corrupção na estrutura federal.

Sou rotulado, visto, como de esquerda. Por formação pessoal, sou sim, amadurecido pela meia metade de século. Mas como jornalista – e bebendo da Sociologia e Psicologia – aprendi a entender que a multiplicidade de visões é o que move a civilização e é o que busco colocar no Informe todos os dias.

Nesta quinta-feira, no Conversa na Rede, ao vivo nas redes sociais a partir das 19h, a proposta é debater como ser de “esquerda” nos tempos atuais.

Comigo, Éder Lima e Roberto da Luz, servidor público e advogado, figuras conhecidas da organização partidária de PT e PDT. Éder está hoje no PSOL e Roberto da Luz deixou o PDT, mas deve voltar.

O terceiro convidado é João Pedro Sansão, formando em Direito, suplente de vereador pelo PT em Gaspar. Um jovem que entrou na política pela esquerda, quando a correnteza vai para o outro lado.

Um bate papo, franco, de cidadãos que não comem criancinhas, trabalham como todos, cumprem suas obrigações, tem famílias, gostam de política e querem fazer o melhor.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta