Secretário Schrubbe contesta fala do vereador Bruno Cunha sobre projeto dos cemitérios

O secretário de Manutenção e Conservação Urbana, Marcelo Schrubbe (DEM), leu a postagem do Informe Blumenau e questionou alguns pontos da fala do vereador Bruno Cunha (PSB), que votou contra o projeto do Executivo de privatizar os três cemitérios públicos de Blumenau. 

Bruno disse que não votou a favor por entender que houve pouco tempo para o debate e que a Prefeitura não explicou adequadamente a proposta.

Schrubbe diz que foi à Câmara no dia 10 de abril para falar sobre o tema com os vereadores, numa reunião agendada pelo presidente, mas que alguns vereadores não estavam presentes. Disse que compareceu outras vezes no Legislativo, mas “infelizmente nem todos os vereadores compareceram”.

Prossegue.

“Desde essa data me coloquei à disposição dos edis para discutir e tirar dúvidas. Vários vieram até a secretaria e conversaram comigo, talvez por isso estavam mais confiantes em votar. Quanto a visita de ontem, não foi surpresa, tenho o hábito de estar presente nas votações que dizem respeito a SEURB, seja para subsidiar o líder do governo com informações, seja para tirar dúvidas dos vereadores. E Ainda nesse caso, fui convidado pelo líder para fazer essa reunião.”

Enfim, esta é a versão de Schrubbe. Bruno Cunha disse que se sentiu inseguro em votar o projeto.

Ainda na conversa com Schrubbe, ele trouxe alguns dados sobre como é hoje e sobre o modelo de concessão, que começa a ser construído a partir da aprovação da lei.

Ele me contou que o que se paga nos cemitérios “públicos” pela concessão temporária e o velório é no mínimo R$ 1.765,00. Hoje existem apenas cinco túmulos livres e uma eventual expansão é objeto do estudo de viabilidade que fará parte do edital. Existem cerca de 15 mil túmulos nos três cemitérios, de acordo com o secretário.

11 mil pessoas estão inscritas no cadastro social da Prefeitura.

A licitação deve ser para os três cemitérios – Rua Bahia, Rua João Pessoa e Rua Progresso. “Primeiro pelo ganho de escala e segundo para não criar valores diferentes e forçar alguém a ser enterrado em um cemitério diferente de onde estão seus familiares por ser mais barato”, diz o secretário.

Não haverá outorga, portanto ganhará a licitação quem oferecer o menor valor para a população. O valor do negócio será dado pelo estudo de viabilidade econômica a ser realizado.

3 Comentário

  1. Este vereador, se é que assim podemos chamá-lo só sabe criticar e apresentar projetos inconstitucionais. Nunca estudo um projeto que vai para a camara.

  2. Olá Raul, gostaria que você citasse um projeto inconstitucional apresentado pelo vereador.

  3. Privatizem cemiterios, Seterb, secretária de obras, Samae e todos os demais cabides de empego.

Deixe uma resposta