Resumindo: Maduro não virá

Convite

O chanceler da Venezuela, Jorge Arreaza, afirmou neste domingo que Nicolás Maduro foi convidado para a posse de Jair Bolsonaro.

“Desconvidado”

O futuro Ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, afirmou que o ditador venezuelano não receberia um convite “em respeito ao povo daquele país”.

Pronto. Maduro não vem!

Maduro

Maduro elevou o tom ao dizer que nunca iria prestigiar a posse de Jair Bolsonaro, no Brasil, por ser a expressão do fascismo.

A afirmar que Maduro foi convidado pelo Itamaraty, o governo venezuelano indicou que “ele nunca iria assistir à inauguração de um presidente que é uma expressão de intolerância, do fascismo”.

Corte

O presidente eleito Jair Bolsonaro quer cortar gastos com publicidade em seu governo. Na Secom, diz o Estadão, “a equipe do presidente eleito avalia detalhes dos contratos firmados ainda em 2017 com as agências de publicidade Artplan, Calia Y2 e PPR. Juntos têm previsão de um gasto de 260 milhões reais neste ano”.

Os gastos de Michel Temer foram de 1,5 bilhão de reais em publicidade.

E não adiantou!

Investigações

“As investigações sobre movimentações financeiras suspeitas de assessores de pelo menos 20 deputados da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro serão individualizadas”, diz O Globo.

O caso de Flávio Bolsonaro será encaminhado à Procuradoria Geral da República, por deslocamento de competência.

Previdência

Na equipe do futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, há quem defenda que se aproveite o projeto da reforma da Previdência enviado por Temer em 2016.

Quem defende essa opção acredita que aprovar a primeira parte da reforma no começo do ano que vem “daria a Bolsonaro fôlego para apostar em mudanças mais ambiciosas no segundo semestre, com a apresentação do novo regime previdenciário que a equipe de Guedes quer criar”.

Com informações da Folha

MBL

Depois de estrear nas eleições em 2016, o MBL (Movimento Brasil Livre), quer virar partido político. O grupo consultou o TSE para saber se as assinaturas digitais poderiam ser aceitas.
“A estratégia leva em conta o fato de que o partido tem presença expressiva nas redes sociais. Entre haters e seguidores, a página do MBL no Facebook teve 100,9 milhões de interações (curtidas, comentários e compartilhamentos) nos últimos 12 meses. Não fica muito atrás do presidente eleito, Jair Bolsonaro, cuja principal plataforma também foi as redes sociais – 126 milhões de interações”. Diz o Estadão.

 

 

1 Comentário

  1. “Fascismo”???

    E o Maduro, que desgraçou o seu povo?

    Venezuelanos: aprendam a votar!

    Brasileiros: aprendam a votar, também! Se não aprenderem a votar… o sapobarbudo pega uceis di novo, seus babacas!

    Alcino Carrancho
    (Aquele que sabe votar, mas a quem o PSDB conseguiu enganar)

Deixe uma resposta