Perdemos nós, ganham eles. Décio Lima em Itajaí

Foto: Divulgação

Opinião aviso artigos terceiros

Luiz Carlos Nemetz Destaque
LUIZ CARLOS NEMETZ

Advogado

 

A notícia da transferência do domicílio eleitoral do deputado federal Décio Lima para Itajaí, nesta segunda feira (29/09/2015) não chega a ser surpresa. O líder do Partido dos Trabalhadores – PT dá um importante e arriscado (mas bem medido) salto em sua carreira política. Blumenau/SC perde muito com esta troca. Décio nunca escondeu de ninguém a sua vontade íntima de ser prefeito de Itajaí, o que antes de tudo, é legítimo, posto que foi lá naquela bela cidade que iniciou sua consagrada trajetória política, sendo líder estudantil e um dos fundadores do PT, tendo contribuído diretamente para a eleição do primeiro mandatário federal eleito pelo PT no Estado, que foi Luís Cechinel. Lá vive quase toda a sua família, sendo seu pai Nery Lima uma liderança comunitária respeitada e querida por todos.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Décio Lima veio para Blumenau, trazido por José dos Reis Garcia, primeiro para ser advogado sindical, e depois, para iniciar sua carreira junto à Câmara de Vereadores. Habilidoso alcançou grandes voos a partir daqui, tendo sido vereador, prefeito da cidade por duas vezes e eleito seguidamente deputado federal com votações consagradoras, mas que tem minguado a cada eleição. Ao longo de sua trajetória Décio Lima tem exercido uma importante liderança política não somente para Blumenau e o Vale do Itajaí, como para o Santa Catarina e para o país, tendo ocupado um dos mais destacados cargos da República, quando teve assento na presidência da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados.

No transcurso do seu caminho, Décio Lima tem passado incólume por todas as bandalheiras que enxovalham alguns quadros do PT, mantendo seu espírito público republicano, exercitando a chamada “paciência democrática” pregada por Karl Marx.

Concorde-se ou não com suas ideias e ideários, a sua mudança de domicílio eleitoral representa um duro golpe para Blumenau, tão carente de lideranças locais com habilidade política e densidade eleitoral.

Itajaí está em franco crescimento. Sua localização privilegiada e sua estrutura de modernos modais de transporte ressuscitaram aquele município ao longo das duas últimas décadas. Importantes obras federais de infraestrutura foram realizadas lá, tais como a recuperação e modernização do Porto (violentamente atingido pelas catástrofes de 2008), as vias de acesso marginais da BR-101, a inclusão da cidade como píer de parada de transatlânticos e de competições internacionais de vela, a instalação de importantes empresas nacionais e internacionais, investimentos privados (como é o caso da Marina de Itajaí – que, aliás, é uma maravilha), proporcionaram um salto de qualidade excepcional à cidade portuária. Em muito disso há o dedo de Décio Lima, que chegou a exercer a superintendência do porto organizado, durante dois anos.

Foto: Divulgação Prefeitura Itajaí
Foto: Divulgação Prefeitura Itajaí

Na história econômica e política de Santa Catarina, Itajaí sempre teve grande destaque. Foi o berço político dos Konder e dos Bornhausen que reinaram no Estado por décadas a fio. Lá surgiram grandes conglomerados econômicos, como foi o caso do Banco Inco, posteriormente incorporado pelo Bradesco. Não é a toa que duas lideranças consolidadas e ainda e ascensão, tenham escolhido Itajaí para ser seu domicílio eleitoral, já que o deputado Paulinho Bornhausen também lá fixou residência, de olho na prefeitura. Ambos não querem somente a prefeitura. Querem muito mais… E tem tempo para exercer esta vontade…

De toda a sorte, e de qualquer ângulo que se observe, foi uma grande perda política para Blumenau. Evidente que existe na tacada de Décio um gesto nitidamente eleitoral de consolidação e ampliação de sua liderança. E que isso pode engendrar um risco. Mas, para político com coragem e bem preparado, disputar eleição nunca constituí risco. A eleição municipal de Itajaí no ano que vem será eletrizante. Aquela cidade, com certeza, tem grande possibilidade e probabilidade de tomar para si, em futuro muito próximo, o controle remoto da vida política e econômica de Santa Catarina. Mas, antes e acima de tudo, essa mudança significa que Blumenau, mais uma vez, pode ter ficado no meio do caminho.

7 Comentário

  1. Assumir a liderança de que? Itajaí pode ser algo… mas basta ser grande, crescer, ou há saída apenas se houver a consciência de que o atual modelo está superado, independente de sua velocidade ou direção! Há saída se políticos e técnicos perceberem que não há nobreza no ato de enxugar gelo, mesmo que seja com a máxima competência e comprometimento… os pacientes estão todos moribundos, haverá salvação, ou mais do mesmo?

  2. Bela análise, Luiz! E que venham mais Décios pelo estado, que honram a nossa política e lutam por dias melhores para a nossa gente!

  3. Parabéns Nemetz pela opinião ponderada. A ida de Decio Lima à Itajai configurasse numa perda para Blumenau. Mas tenho certeza que o mesmo não se furtará em continuar ajudando nossa Blumenau

  4. Gostei demais do seu artigo Luiz Carlos. Um homem público como Décio Lima só virá engrandecer a política de Itajaí.Que ganha é a cidade.

  5. Entendo que Blumenau não perdeu, teve na gestão do Décio um período extraordinário não somente em obras tangíveis, mas também nas questões sociais e no modo de governar, como por exemplo, com o orçamento participativo. E por isso Blumenau ganhou. Tanto foi assim que terminou os Mandatos com cerca de 80% de aprovação. Ninguém perdeu, todos ganham com o exercício da política em elevado grau.

  6. Nossa região ganha e muito. A foz do Itajaí que estava sem representação ganha o domicílio de um deputado atuante e que traz na bagagem uma administração municipal exemplar.

  7. Interessante análise. Creio que poderá fazer um trabalho digno, a exemplo do que foi realizado em Blumenau. Desde que não leve o projeto da “Escola sem Fronteiras, que na minha humilde opinião, foi o único erro daqueles dois mandatos como prefeito em nossa cidade. No mais, desejo sucesso nesse novo desafio político.

Deixe uma resposta