Pedido de CPI para investigar contrato da Prefeitura de Blumenau com a Blumob vai ser protocolado nesta quinta

Foto: PMB

Com um atraso de alguns anos e uma Legislatura, a Câmara de Blumenau deve ter uma CPI para investigar o contrato da Prefeitura com a Blumob. O requerimento está sendo encabeçado pelos vereadores Carlos Wagner, o Alemão (PSL) e Emmanuel dos Santos, o Tuca (Novo).

Segundo Alemão, pelo menos sete vereadores sinalizaram que assinarão o requerimento, sendo que são preciso cinco assinaturas para que a CPI avance e passe pelo crivo da Procuradoria Jurídica da Casa.  Além dos proponentes, Bruno Cunha (Cidadania), Adriano Pereira (PT), Silmara Miguel (PSD), o suplente Victor Iten (PP) e Professor Gilson (Patriota) devem respaldar o requerimento.

Em março, Alemão, Tuca e Bruno protocolaram um requerimento com o pedido de informações sobre vários pontos do contrato, cujas respostas também ajudaram a embasar o pedido.

Em 2017, o vereador Gilson tentou emplacar uma CPI do transporte coletivo, mas na época conseguiu apenas três assinaturas. Ele disse que o material levantado naquela oportunidade foi requisitado pelo colega Alemão e que serviu para embasar os documentos.

A diferença está no objeto da investigação, condição fundamental para que a CPI seja aprovada do ponto de vista jurídico. Na época, Gilson questionava o não cumprimento do contrato com respeito a pintura dos veículos. Agora, o questionamento será sobre a não compra de uma garagem pela empresa, o que representaria quebra de contrato.

A CPI é um incomodo para o Governo, mas pega mais o ex-prefeito Napoleão Bernardes (PSD, na época PSDB), responsável pela caducidade do Consórcio Siga e pela licitação que trouxe a Blumob.

 

 

1 Comentário

  1. Correto, mas deveriam investigar desde o inicio, vão encontrar muito coelho neste mato .

    Mas infelizmente , não acredito que a CPI saia , o Vereador Ivan Naatz tentou , conseguiu as assinaturas que precisava , na última hora o vereador Becker pediu para retirar a assinatura .

    Muitos dizem que vão assinar e nos bastidores negociam com o executivo e depois caem fora, esperamos que isto não volte a ocorrer, pois se voltar a ocorrer , sabemos o motivo .Mas não investiguem somente sobre a garagem , investiguem desde o inicio .

Deixe uma resposta