Os vereadores que fizeram mais votos e ficaram de fora

Foto: Divulgação Câmara Vereadores

Por conta do tal quociente eleitoral, alguns candidatos fizeram mais votos que outros mas estarão de fora da próxima Legislatura. O Carlos Wagner, conhecido como Alemão da Alumetal (DEM) e Beto Tribess (PSDB) por exemplo,  receberam mais votos que os quatro últimos eleitos. Alemão fez  2.841 votos e Tribess 2.671.  Professor Gilson (PSD), que ocupa a 12ª vaga, recebeu 2.615 votos. O último eleito, Ailton de Souza, o ITO (PR) teve 2.279 votos.

Outros cinco candidatos obtiveram, nominalmente, votos a mais que alguns eleitos. São eles Sergio Galdino (PSDB), Maurício Goll (PSDB), Eliomar Russi (PMDB) e Cezar Cim (PP). Cim fez 2.306 votos, ou seja, 27 a mais que o Ito, seu ex-colega de partido, hoje eleito pelo PR, que conquistou a última vaga.

É justo?

Se fosse contar apenas a soma dos votos conquistados, a lista de eleitos pararia no Alexandre Caminha (PROS), mais Alemão e Beto Tribess. Almir Vieira (PP) e o Ito ficariam de fora.

Em 2012, Almir Vieira fez 4.257 votos, ficando atrás de apenas quatro candidatos. Mas sua legenda não garantiu vaga para ele.

É a legislação, que você confere aqui.

Foto: Divulgação Câmara Vereadores
Foto: Divulgação Câmara Vereadores

 

1 Comentário

Deixe uma resposta