Os números da Prefeitura de Blumenau pelo prefeito Mário

Foto: Rádio Nereu Ramos

Mário Hildebrandt (sem partido) percorreu as rádios de Blumenau na manhã desta segunda-feira, 10. O gancho era o começo da segunda semana de greve parcial no serviço público e ele aproveitou para abrir as finanças da Prefeitura, para justificar a impossibilidade de pagar a reposição do INPC – 5,07% – agora, deixando para janeiro de 2019.

O prefeito “chorou as pitangas”, contextualizou as finanças municipais com a situação do país. “Sou prefeito das minhas condições”, afirmou na entrevista que ouvi na Rádio Nereu Ramos, com o colega Jorge Theiss.

Hildebrandt lembrou que o PIB no Brasil caiu 0,2% no primeiro trimestre: “andamos em marcha ré”.

Blumenau, segundo ele, teve a arrecadação uma arrecadação de R$ 27 milhões a menos que a estimada nos quatro primeiros meses de 2019. A despesa aumentou mais de R$ 51 milhões, cerca de 9%,  no período. “É um buraco de R$ 64 milhões!”

Diz que em 2020, o ICMs deverá diminuir em R$ 16 milhões, por conta da queda no desenvolvimento econômico, com empresas indo embora de Blumenau, citando a Dudalina e uma parte do parque fabril da Hering.

Voltou a falar que o Município assume responsabilidades de outros entes federados, lembrando os 32% que a Prefeitura investe em saúde, quando a constituição diz 15%.  Voltou a frisar a falta de um hospital regional em Blumenau ou no Vale do Itajaí.

Fez questão de lembrar os cortes que fez nos cargos comissionados e outras ações que tem tomado para tentar enxugar a máquina.

Mário Hildebrandt afirmou que há recursos para as obras em andamento, mas que  o cenário econômico pode comprometer a captação de recursos para novas ações.

A entrevista completa você acompanha aqui.

1 Comentário

  1. O prefeito deveria pedir ajuda dos 12 apóstolos que tem no legislativo , pois foram eles que aprovaram o orçamento do ano corrente e não consideraram a queda de arrecadação que era previsível , não consideraram o reajuste anual que é cobrado pelos servidores , simplesmente aprovaram um orçamento errado que o executivo enviou e agora quem paga é a população ?

    Mas para quem já aprovou estacionamento gratuíto para quem doa sangue no HEMOSC , sendo que o HEMOSC não cobra vaga de estacionamento , esperar o que ?
    Quem falou sobre aprovação deste absurdo foi o líder do governo na câmara , quando discutia o projeto das ruas de placa amarela , é só ir buscar e ouvir .

Deixe uma resposta