Opinião: estamos no limite

Foto: reprodução

Estamos no limite, senhor presidente. Está intratável a política nacional. A política do qual o presidente da república participou durante vinte e oito anos como parlamentar e hoje faz acordos com os deputados do “centrão” está intratável com amigos e familiares mais distantes. O show de horrores que é descortinado em nossa frente a cada manifestação de pessoas sem máscaras e sem bom senso é horroroso e obsceno.

O apoio às manifestações é enjoativo. Querem um país sério? Levem-se a sério. Multidões brincando com o autoritarismo não é coisa de gente grande. Se há erros, há outras maneiras de resolver nossos aborrecimentos, idolatrar um político em manifestações violentas e perigosas não é o caminho correto. Luis Roberto Barroso afirma que democracia é a frustação e o controle da frustração. Acredito que o judiciário cometeu erros, porém, manifestações de pedidos golpes ao supremo e ao legislativo não são as soluções, eles são assombrosos problemas.

A falta de representatividade gerou os delírios e devaneios golpistas. É uma suposição simplista a minha, verdade. Após o abismo em que estamos é necessário refletirmos os nossos erros para que estes anseios golpistas não se repitam. O professor Gargarella afirma que na América Latina, historicamente as pessoas foram deixadas do lado de fora da sala de máquinas onde se produz o poder. Então sim, entende-se o sentimento de parte da população sobre nunca se sentir verdadeiramente representada. Porém, diante de tanta informação, é preciso saber que não é um delírio coletivo que salvará o país, as soluções são outras.

Baseada na mais pura forma de notícias falsas, de forma obscena parte da população é exposta ao ridículo em manifestações delirantes. É clara como a luz do dia de que os manifestantes não sabem à que vieram. A Constituição Federal, em que eles pensam defender, não comportam os anseios golpistas dos manifestantes. Tais anseios são intratáveis em qualquer democracia séria. A situação do Brasil de hoje serve para nós nunca nos esquecermos que, por mais que tenhamos problemas sociais, a democracia deve ser o presente e o futuro da nação.

2 Comentário

  1. Parabéns Felipe! Que lúcida sua interpretação aos atuais acontecimentos no nosso Brasil. Você pontua clara e objetivamente as questões políticas que vivemos, inclusive com a lucidez de traçar esse paralelo do Poder com o Povo.

  2. Belo Acadêmico de História, Profa.Lili. Nunca vou dar ouvidos a “história” escrita por Ele. Você Felipe,deveria gostar das manifestações comunistas do PT e Cia., regados a mortadela. Você só desconfia que o STF, cometeu erros…..
    Que memória curta. O sr. Barroso é uma dos babacas. É incrível como Você e a grande imprensa podre acharem que a população Brasileira é ridícula nas manifestações. Se Você não entendeu ainda, vou escrever:Queremos um país LIVRE e DEMOCRÁTICO:
    – Livre dos corruptos do Congresso.
    – Livres dos corruptos e malfeitores do STF.
    – Livre dos “cabeça de serpentes” que se dizem progressistas(nova nomenclatura dos comunas), nas Universidades.
    – SÓ ISSO….. ENTENDEU.

Deixe uma resposta