O coronavírus contra o Bolsonarismo

Foto: reprodução/José Cruz/Agência Brasil

A pandemia de nCoV-19 (Coranavírus) chegou ao Brasil. E, como toda catástrofe, também o Coronavírus representa, ao mesmo tempo, uma oportunidade e uma ameaça política. Afinal, se a pandemia for bem gerida, aumentará o capital político do Presidente Jair Bolsonaro; porém, se for mal gerida, poderá ressuscitar a oposição. O Coronavírus constitui o primeiro grande desafio do Governo Bolsonaro porque não pode ser enfrentado com a estratégia da divisão.

Neste sentido, a atuação governamental durante a crise terá um efeito direto nas eleições municipais de 2020 e sobre o futuro do governo. Até agora o jogo parece que está empatado.

Por um lado, o Coronavírus serviu para desativar legitimamente a pressão sobre as Manifestações do dia 15 de Março. Mais precisamente, como a adesão expectada pelas mídias sociais aponta para uma baixa participação, o Coronavírus pode ser instrumentalizado politicamente para evitar um eventual discurso de fracasso da mobilização que enfraqueça o Governo Bolsonaro. Ou seja, a eventual orientação oficial das autoridades sanitárias para evitar multidões foi conveniente. Assim, o risco de contágio pode ser utilizado para justificar e esconder os problemas de gestão. E a ferramenta de pressão política do Bolsonarismo continuaria funcionando.

Por outro, a estratégia de ataque verbal do Presidente Jair Bolsonaro não pode ser usada em situações de crise. É que em situações de crise o que conta é, principalmente, a qualidade da informação e o consenso social. Assim, a afirmação do Presidente Jair Bolsonaro que a letalidade do Coronavírus se encontra superdimensionada para evitar os efeitos econômicos negativos da crise no Brasil se chocou frontalmente com os fatos.

Afinal, devido a contaminação do Secretário Especial de Comunicação Social da Presidência da República Fabio Wajngarten, o Presidente Jair Bolsonaro foi obrigado a fazer um exame e desmentir que estivesse contaminado.

O impacto do Coronavírus é difícil de ser controlado. Afinal, o problema do gestão sanitária do Coronavírus está relacionado principalmente a quatro fatores: 1) o alto grau de letalidade, principalmente no grupo de pessoas idosas; 2) o caráter assintomático do contágio, o que aumenta o risco de contaminação; 3) a sobrecarga do sistema de atendimento devido a concomitância de pessoas; 4) a cadeia de desinformação gerada pelas mídias sociais. Neste sentido, a questão principal constitui a temporalidade: ganhar tempo para entender e controlar o impacto. Isto significa que as medidas de precaução são necessárias, porém não suficientes.

Trata-se, ao mesmo tempo, de controlar os efeitos da contaminação e os efeitos do medo de contaminação. O problema é que não existe ainda uma estratégia comum de gestão bem definida de ação. O que caracteriza o processo de gestão é mais uma resposta adaptativa. Afinal, tanto as medidas maximalistas adotadas na China (controlar a informação), quanto as minimalistas adotadas na Itália (abrir a informação) acabaram falhando. Por isto, ainda não foi estabilizado um protocolo político adequado de gestão. Neste sentido, trata-se de saber até onde pode se confiar nas informações disponíveis, pois o medo constitui um produto que vende muito bem na mídia.

No Brasil, este processo se torna ainda mais dramático devido as debilidades da estrutura de saúde em geral e da inconsistência das políticas públicas do Governo Bolsonaro em particular. Por isto, é difícil determinar exatamente qual a estratégia do Governo Bolsonaro para confrontação do Coronavírus. Até agora o anúncio da destinação de 5 bilhões do Governo Bolsonaro para o combate da pandemia teve mais efeito midiático que prático. Trata-se, portanto, de saber quais serão os custos sanitários, financeiros e simbólicos da pandemia. Ou seja, as consequências políticas da relação entre as medidas tomadas e os custos das medidas que são tomadas.

Assim, se a gestão da pandemia de Coronavírus for bem efetuada o Governo Jair Bolsonaro se sentirá legitimado para acentuar a verticalidade do poder. Dito de outra forma, se a crise for controlada irá reforçar a crença de que a centralização e o autoritarismo fará avançar mais rapidamente a agenda conservadora. Isto significa que o descompasso entre os poderes tende a se acentuar progressivamente. Além disso, colocarão uma forte pressão sobre capacidade de oposição e resistência da esquerda. Neste sentido, o sucesso na gestão da crise do Coronavírus tende a legitimar a estratégia Bolsonarista de tensionamento constante das instituições.

Porém, ao contrário, se a gestão não for bem efetuada ou não atingir resultados satisfatórios junto a opinião pública isto não significa um recuo do Bolsonarismo. Mais precisamente, se as ações do governo não conseguirem conter o Coronavírus isto permitirá o Congresso agir com maior autonomia aprofundando o Parlamentarismo Branco. Por isto, paradoxalmente, a aposta do Bolsonarismo será a intensificação da polarização. Afinal, quanto menor a legitimidade, mais radical tende a ser o discurso. Ou seja, os ataques do Bolsonarismo a esquerda em geral e a oposição em particular tendem a se radicalizar para acionar a militância.

Apesar de ser a quarta vez neste século que os seres humanos são contaminados pela relação com animais (SARS/2003, H1N1/2009, MERS/2012) o nCoV-19 possui efeitos sociais inéditos. E, diante de acontecimentos inéditos, os temores tendem a favorecer a tendência de sobrestimação do risco…

Neste sentido, estamos sujeitos a potencializar as consequências negativas provocadas pelo Efeito Rumor. Assim, a questão colocada pela crise do Coronavírus diz respeito a tensão que existe entre liberdade e segurança: será que estaremos dispostos a abrir mão de uma parte da liberdade em nome da segurança? Portanto, tudo indica que o pior ainda está por vir!

Por isto, existe muitas coisas em jogo na crise do Coronavírus. O roteiro institucional e eleitoral da Agenda Conservadora do Governo Bolsonaro depende da capacidade de gestão do Coronavírus. A perda de controle do processo pode se converter num marco divisor para o Governo Bolsonaro. Se for bem sucedida o Bolsonarismo se torna hegemônico; caso contrário abrem uma janela de oportunidade para oposição. Por isto, independentemente do resultado o Governo Bolsonaro não será mais o mesmo. Portanto, as potencialidades e limites da estratégia do Presidente Jair Bolsonaro de governar pelo Presidencialismo de Polarização dependem do “Fator Coronavírus”.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta