Caminhoneiros ameaçam nova greve nacional a partir de 1º de novembro

Foto: reprodução

Entidades de representação nacional de caminhoneiros declararam estado de greve após reunião no Rio de Janeiro. Durante o encontro, os transportadores elaboraram uma lista de reivindicações encaminhadas ao Governo Federal. Se não atendidas as demandas, a categoria promete uma paralisação geral, prevista para começar dia 1º de novembro.

Três entidades participaram do encontro: a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes e Logística (CNTTL), o Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas (CNTRC) e a Associação Brasileira de Condutores de Veículos Automotores (Abrava). As entidades estimam receber apoio de mais de um milhão de caminhoneiros caso a greve de fato ocorra.

“Nosso estado de greve significa dizer para o governo Bolsonaro que o prazo de três anos que ele teve para desenvolver, desencadear, melhorar a vida do transportador autônomo não foi cumprido”, declarou o diretor da CNTTL Alberto Litti Dahmer, que também encaminhou as demandas ao ministro da infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas.

As demandas incluem a revisão da política de preços dos combustíveis na Petrobras, o estabelecimento de um valor mínimo de frete e a melhoria e construção de novos pontos de descanso para a categoria. Os caminhoneiros também exigem reformas no poder legislativo: a aprovação do Marco Regulatório do Transporte Rodoviário de Cargas e o retorno da aposentadoria especial após 25 anos de contribuição ao INSS.

Fonte: Congresso em Foco

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta