Bolsonaro decide afastar secretário após discurso semelhante ao de ministro de Hitler

Foto: reprodução

O presidente Jair Bolsonaro avisou o presidente do Congresso Nacional, senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), que vai afastar o secretário nacional da Cultura, Roberto Alvim.

O secretário divulgou um vídeo na quinta-feira, 16, no qual usou frases semelhantes às usadas por Joseph Goebbels, ministro da Propaganda de Adolf Hitler durante o governo nazista. Goebbels era antissemita radical e foi um dos idealizadores do nazismo.

Assim como Goebbels havia afirmado em meados do século XX que a “arte alemã da próxima década será heroica” e “imperativa”, Alvim afirmou que a “arte brasileira da próxima década será heroica” e “imperativa”.

Alcolumbre, que está em viagem oficial para o interior do Amapá, ligou para o presidente Bolsonaro nesta manhã para reclamar das declarações do secretário.

O discurso do secretário, divulgado em uma rede social na quinta (16), foi feito para anunciar um concurso de projetos de arte.

O vídeo de Alvim ganhou grande repercussão nas redes sociais e tanto o nome do secretário quanto o de Goebbels foram parar entre os assuntos mais comentados do Twitter no Brasil.

A fala dele também gerou forte repercussão nos meios artístico e político. Além de Alcolumbre, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), pediu a demissão imediata do secretário.

Nesta manhã, Alvim afirmou em post no Facebook que a semelhança entre as frases foi “apenas uma frase do meu discurso na qual havia uma coincidência retórica”.

As informações são do G1

5 Comentário

  1. kkkk…esse governo é uma piada…cade os bolsominions de Blumenau pra defender esse governo nazista? kkkk

  2. Bolsonaro aceitando falácias de associação , esta se deixando levar pela mídia e pelos “politicamente” corretos .
    O secretário utilizou-se sim de uma frase de Goebbsels , e daí , isto então significa se alguém estiver ouvindo Wagner , também será considerado apoiador do nazismo ? Lembrando que Hitller ouvia Wagner .

    E os políticos que andam com a camisa de Che Guevara , de Fidel Castro , que idolatram estas pessoas que foram guerrilheiros e assassinos, são assassinos também .

    Não tem que demitir o secretário , nada fez para ser demitido , a não ser o que este povo do politicamente correto entende que parafrasear uma frase sobe arte , seja apoiar o nazismo .

    Temos que tomar cuidado com que falamos e escrevemos , pois qualquer frase doravante pode ser considerada como apoiador do Nazismo . Imagina aqui em Blumenau , se todos que falam alemão forem demitidos ?

    “arte brasileira da próxima década será heroica” e “imperativa”. Esta é a frase , onde está o perigo
    escondido ?

  3. kkkkk…o argumento do cidadão…Tem que desenhar para as pessoas entenderem…

    No momento em que o Estado começa a avaliar o conteúdo das produções culturais, passa a ter censura. A cultura tem que ser livre.

    A inspiração do Ex-Secretario da Cultura, Goebbels, não deixou qualquer campo de ideias livre de sua intervenção. Controlou a produção cultural, o sistema educacional, a imprensa, com destaque para o rádio, um instrumento que usaram com muita competência para a doutrinação e grande parte da igreja Protestante. Logo no início do regime, 250 escritores fugiram da Alemanha para escapar à sanha nazista, com Thomas Mann à frente. Mais de 800 pastores da igreja Luterana foram presos. Os estudantes, acompanhados por forças da SA e da SS, queimaram 20 mil livros, logo depois do pronunciamento que foi importado para o projeto cultural do governo brasileiro.

    E não se iludam. O nazista só caiu porque o presidente foi pressionado pela opinião pública e principalmente pela comunidade judaica. Se fosse pelo Bolsonaro ele continuava no cargo.

  4. Marcelo, não esqueça q o regime comunista marxista ateísta continua perseguindo e matando milhões de pessoas especialmente cristãos!

Deixe uma resposta