TRE retoma julgamento de políticos denunciados na ação eleitoral decorrente da Operação Tapete Negro

Foto: Reprodução Youtube

O Tribunal Regional Eleitoral começou a analisar nesta quarta-feira, dia 6, o recurso do processo que envolve quatro políticos, então candidatos a vereador em 2012, no desdobramento eleitoral do caso que ficou conhecido como Operação Tapete Negro. Mas não terminou.

Quando a votação estava 2 x 2, faltando três votos, um dos desembargadores pediu vistas ao processo, suspendendo a sessão. A principal discussão se dava sobre a necessidade ou não da disponibilidade, de forma integral, dos áudios das conversas telefônicas que serviram de base para a ação.

O atual vereador Almir Vieira (PP) e os ex-vereadores Fábio Fiedler, Robinho e Braz Roncáglio foram punidos em 2013, na primeira e segunda instância, e acabaram tendo seus mandatos cassados. Em 2012, Fábio e Robinho foram eleitos, Braz e Almir ficaram como suplentes.

Recorreram ao TSE, que em 2015, entendeu que eles não tiveram acesso a integralidade dos áudios das conversas telefônicas. Com a decisão, o processo voltou a estaca zero, sendo os quatro novamente foram condenados, desta vez  pelo juiz Sérgio Aragão, em novembro de 2018.

Em termos financeiros, a multa em 2018 foi de R$ 40 mil para Robinho, R$ 25 mil para Braz Roncáglio R$ 15 mil para Fábio Fieldler R$ 15 mil e R$ 10 mil para Almir Vieira. Todos foram considerados inelegíveis durante oito anos, tendo como ano base 2012, quando ocorreram as denúncias, o que prescreve em 2020.

2 Comentário

  1. E tem eleitor que ainda votam nestas pessoas , inacreditável , é de chorar .

Deixe uma resposta