“Se a eleição foi diferente, se a comunicação foi diferente, o sistema continua o mesmo”. Os bastidores da visita do presidente da Alesc a Blumenau

Fonte: Informe Blumenau

Me chamou a atenção o baixo quórum para acompanhar a primeira visita do novo presidente da Assembleia Legislativa a Blumenau, nesta segunda-feira, em encontro organizado pela ACIB. Os representantes oficiais da entidades e de seus parceiros estavam lá, mas faltou público e uma representatividade maior.

Entre os deputados presentes, os de Blumenau Ismael dos Santos (PSD), Ricardo Alba (PSL) e Ivan Naatz (PV),além de Milton Hobus (PSD), Laércio Schuster (PSB) e o líder de Governo no parlamento, Onir Mocellin (PSL).

Vereadores vi o Professor Gilson (PSD), Almir Vieira (PP), Adriano Pereira (PT) e o presidente Marcelo Lanzarim (MDB). O prefeito Mário Hildebrabdt (sem partido) e os ex-prefeitos Napoleão Bernardes (sem partido) e Renato Vianna (MDB) também estavam, assim como o ex-senador Dalirio Beber (PSDB) e alguns secretários municipais.

Foi nesta segunda-feira, 01, no auditório do Centro Empresarial de Blumenau.

As falas do presidente Júlio Garcia foram interessantes. Muitas vezes incomodou de tão óbvia e clara.

“Na verdade, não existe política velha, nem nova, existe política”, disse Julio Garcia, dando enfase à narrativa que predominou na última eleição, mas relativizando-a. “É preciso que desmitifique-se isso”.

Falou da expectativa de transformação da sociedade criada em torno de Jair Bolsonaro (PSL), “de esperança, mudando o eixo da política nacional”,  mas dando destaque a falta de debate, por parte do então candidato, por conta do atentado que sofreu ainda no primeiro turno.

“Acabamos não conhecendo, ao longo da campanha, com muita clareza, as ideias do presidente Bolsonaro…”. …o que nós conhecemos foi aquele marqueteiro competente, que soube comunicar-se com a sociedade, a sociedade desencantada com a classe politica acabou generalizando…” disse o presidente da Assembleia Legislativa.

Elogiou a montagem da equipe montada por Bolsonaro, mas criticou algumas posturas do presidente. ‘O presidente foi muito feliz na escola da espinha dorsal de seu ministério…” “o que nos atrapalhou no meio do caminho, foram as declarações do presidente, que fala demais…”, “…acabou acontecendo uma coisa pior, que é o relacionamento entre os Poderes, que ficou abalado, prejudicando a democracia e o país”, disse Garcia.

Defendeu a independências dos Poderes e a Democracia, valorizando sempre quando pode a participação da classe política em contraponto ao discurso da nova política X velha política, dando uma estocada no Governo Moisés (PSL), quando trouxe sua fala para Santa Catarina.

“Qual a vantagem entre o Governador Moisés e o presidente Bolsonaro? É que Moisés fala pouco, não diz bobagem, facilita muito para que não tenhamos crises…”, defendendo mais tempo para fazer as primeiras avaliações do Governo Moisés

“Se a eleição foi diferente, se o modus operandi, se a comunicação foi diferente, o sistema continua o mesmo”, disse Julio Garcia sobre o rito de tramitação de um projeto no Legislativo. “Não há como governar, se você não tiver uma estabilidade parlamentar”, disse.

Lá pelas tantas, numa conversa que diz muito, o presidente do Parlamento revela ter dito para o Chefe do Executivo, num encontro que reuniu também os presidentes do TJ e Tribunal de Contas, na eterna discussão sobre o Duodécimo. “Governador, tenho muita dificuldade, pois sou presidente de uma casa política, e nós políticos lá na casa temos pensado assim, como eles vão usar só os técnicos, não precisam mais de nós…”

Segue abaixo o áudio com a fala do presidente da Assembleia Legislativa.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta