Regina Duarte aceita convite de Bolsonaro e inicia nesta semana período de testes na Secretaria de Cultura

Foto: reprodução/rede social

A atriz Regina Duarte irá a Brasília nesta semana para conhecer a estrutura da Secretaria Especial de Cultura. Ela e o presidente Jair Bolsonaro encontraram-se hoje, 20, no Rio de Janeiro, para discutir sobre o futuro da pasta. O encontro foi no Aeroporto Santos Dumont pouco antes de Bolsonaro voltar a Brasília, às 15h, após visita ao prefeito do Rio, Marcello Crivella, e reunião com militares.

Regina Duarte foi convidada pelo presidente para assumir o cargo de secretária após a exoneração do dramaturgo Roberto Alvim, na semana passada.

“Após conversa produtiva com o presidente Jair Bolsonaro, Regina Duarte estará em Brasília na próxima quarta-feira, 22, para conhecer a Secretaria Especial de Cultura do governo federal”, informou, em nota, a assessoria do Palácio do Planalto. Sobre se aceita o convite, a atriz declarou, segundo a nota, que ela e o presidente estão “noivando”.

Mãe de três filhos e avó de seis netos, Regina Duarte nasceu no dia 5 de fevereiro de 1947 e trabalha como atriz há 54 anos.

Exoneração

O cargo de secretário especial da Cultura ficou vago após a exoneração de Roberto Alvim na última sexta-feira, 17, depois da repercussão negativa de um vídeo sobre o lançamento do Prêmio Nacional das Artes. Divulgado pelo então secretário, em sua conta no Twitter, o vídeo contém trechos que remetem a um discurso do ministro da Propaganda nazista, Joseph Goebbels.

No vídeo, o secretário fala sobre o lançamento do Prêmio Nacional das Artes e sobre o que seria o ideal artístico para a pasta. Como música de fundo, o secretário escolheu uma ópera do compositor alemão Richard Wagner, o preferido do líder nazista Adolph Hitler.

Fonte: Agência Brasil

1 Comentário

  1. A exoneracao de Alwim pelo motivo exposto , é no mínimo ridicula . Musica de fundo de Wagner , um dos maiores compositores alemães , e a frase é de um escritor alemão , só isto , nada mais .
    Foi apoiador de Hitler , naquele período, ou se apoiava ou morria , não estávamos lá para hoje julgarmos o motivo que levou Paul Joseph Goebbels a apoiá-lo ou se teve outra alternativa .

    Antes que digam que apoio o nazismo , não estou defendendo Goebbels , estou me referindo aos fatos que levaram Alwim a ser exonerado .Dilma foi guerrilheira , lutou contra o país , matou , roubou , incendiou e foi eleita presidente do Brasil . Ou temos muita incoerência de pensamentos ou a demagogia esta no seu pico máximo daqueles que agora crucificam Alwim .

Deixe uma resposta