Prefeitura já tinha exonerado outro comissionado na semana passada por conta de ação do MP

Foto: Michele Lamin/PMB

A Prefeitura de Blumenau diz que exonerou na segunda-feira passada, dia 15,  Ney dos Santos, que ocupava a diretoria de Promoção e Lazer da Secretaria de Turismo. A iniciativa foi tomada depois da conclusão de um inquérito civil do Ministério Público, de que Ney, diretor de Manutenção de Bairros da Secretaria de Manutenção e Conservação Urbana em 2018, teria praticado improbidade administrativa por autorizar obras em duas ruas de forma irregular.

Quando o caso veio a público, no final de 2018, a Prefeitura anunciou a exoneração de Ney e abriu uma sindicância interna. A sindicância ainda está inconclusa e Ney voltou para o Governo, saindo novamente agora.

O Inquérito Civil Público foi instaurado pelo promotor Gustavo Merelles Ruiz para apurar possíveis irregularidades na execução de obras de reperfilagem e pavimentação asfáltica das ruas José Fischer e Aquidabã, no bairro Escola Agrícola, além de eventuais irregularidades na celebração e execução do serviço.

Diz a conclusão:

Ao final da instrução do procedimento, restou comprovada a prática de atos de improbidade administrativa por parte de Ney dos Santos, e da empresa PROGRESSO AMBIENTAL LTDA., assim como de seu representante legal, Valdecir José Evaristo, restando  comprovado que as obras não obedeceram o procedimento ordinário para serviços dessa natureza, desde a decisão acerca do local a ser atendido, a emissão de documentos para autorizar o fornecedor a iniciar o serviço, a liquidação da despesa e o posterior pagamento.

O vereador Alexandre Matias (PSDB) e um assessor dele também foram alvos do inquérito, mas não foram denunciados. A indicação de Ney é de responsabilidade do Tucano, líder do Governo na Câmara.

Quem quiser conhecer o inquérito do MP, pode ler aqui: relatorio acao civil publica ney santos

 

1 Comentário

  1. Quando o caso veio a público, no final de 2018, a Prefeitura anunciou a exoneração de Ney e abriu uma sindicância interna. A sindicância ainda está inconclusa e Ney voltou para o Governo, saindo novamente agora.

    Em 2018 já havia sido afastado , mas como é pau mandado de vereador , arrumaram outro carguinho na Prefeitura , agora foi exonerado novamente .

    Resumindo: O prefeito e o vereador que deixaram que o cidadão retornasse a cargo comissionado após sua exoneraçãp em 2018 , são os responsáveis pelos ilícitos da pessoa .

    É fiscal da FAEMA sendo preso , é diretor de secretaria sendo ilícitos , e se olharmos bem , em todos os casos tem vereador que indicou o cargo e são pessoas de suas confianças , imaginem
    se não fossem de confiança .

Deixe uma resposta