Prefeitura de Blumenau volta atrás no projeto sobre os cobradores

É incrível a capacidade da administração municipal se enrolar com coisas simples.

A Prefeitura mandou recentemente um projeto de lei para a Câmara alterando pequenas coisas da redação da lei de 2003 que regulamenta a manutenção do emprego por conta da bilhetagem eletrônica na cidade, ou seja, trata da presença de cobradores nos ônibus de Blumenau.

As mudanças foram a criação de uma forma de cálculo para definir o que são linhas de baixa demanda de passageiros e o fim da necessidade do aval do sindicato em caso de retirada de profissionais de algumas linhas.

Na sessão desta terça-feira, 25,  os vereadores aprovaram o projeto, com exceção dos votos de Adriano Pereira (PT) e Professor Gilson (PSD)  e abstenção de Jovino Cardoso. Ato contínuo, minutos após a aprovação, houve paralisação dos ônibus por poucos minutos em alguns terminais da cidade.

A lei aprovada foi o combustível necessário para fortalecer a adesão para a greve geral desta sexta-feira, nas duas assembleias realizadas na quarta-feira, um dia depois. Os trabalhadores retiraram o indicativo de greve também para terça-feira, depois do feriadão.

Mas nesta sexta-feira o Governo chamou o sindicato para negociar e duas conversas foram feitas. Decidiu que a lei será sancionada, mas não publicada no Diário Oficial, portanto não terá validade. Em seguida o Poder Executivo enviará um substitutivo ao projeto, colocando a necessidade do aval do Sindetranscol nestas discussões. Já a fórmula para estipular a baixa demanda será debatida nos próximos dias, para ver como ficará a redação.

Ou seja, tem tudo para voltar a ser a lei original, aprovada ainda na gestão de Décio Lima (PT).

A administração Napoleão Bernardes (PSDB) entrou numa queda de braço desnecessária e foi obrigada a fazer este recuo. O prefeito seguiu a orientação do Seterb e acabará com mais um desgaste, entre tantos que tem sofrido nos últimos dias.

Para piorar, oxigena ainda mais o sindicato de empresa privada com mais força na cidade, o Sindetranscol. Imagino que irão passar, com razão e de direito, o 1º de Maio comemorando. Neste dia irão fazer sua confraternização e avaliar a proposta da Prefeitura e, provavelmente, a greve está descartada.

Com isso, a greve

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta