Prefeito Napoleão fala sobre a ponte do Centro

Estamos finalizando o Informe Blumenau Entrevista, que vai ao ar no fim de semana, com o prefeito Napoleão Bernardes (PSDB). Ele falou de alguns temas, mas a questão da ponte do centro dominou boa parte da conversa. Ele reafirmou o discurso de que a Prefeitura trabalha para fazer as mudanças indicadas pelo BID no projeto previsto pela atual administração, minimizou as falhas , a meu ver grosseiras, lembrou das outras pontes em execução e disse que o traçado original nunca foi descartado.

Napoleão também criticou as pessoas que fazem “polêmica” em torno do assunto. Lembrei que a recusa, mesmo que parcial por parte do agente financiador, não tinha relação com a ação movida por um grupo de moradores do bairro Ponta Aguda. Ele reconheceu, mas enfatizou : ” o BID é muito sensível a este tipo de denúncias”.

Tentei medir com o prefeito o tamanho dos estragos desta indefinição na próxima campanha eleitoral, ele diz que a preocupação é em administrar a cidade. Questionei quando tempo ele ainda vai esperar para definir entre um projeto ou outro, também não o fez.

Enfim, entendo que o prefeito está com um problema, a cidade também. O que era fácil durante a campanha eleitoral, não se confirmou. Aquilo que se dizia que o BID aprovaria sem problemas, não foi bem assim. Para piorar, o projeto entregue depois de dois anos de mandato, tinha muitas falhas.  E ainda apareceu um grupo pequeno, mas ruidoso e articulado de moradores, para chamar a atenção para o debate.

FOTO: Blumenau Vertical
FOTO: Blumenau Vertical

O prefeito e seus técnicos devem saber o que fazem, assim todos esperamos. Independente do que esteja acontecendo é importante não exagerar nas convicções, que podem se transformar em teimosia. Blumenau precisa de várias pontes, mas a do centro é a principal e emblemática. Havia financiamento encaminhado para a obra. Não podemos perdê-lo.

1 Comentário

  1. Creio na total relação entre os questionamentos do BID e a movimentação dos influentes moradores da Ponta Aguda.

    Se não fosse a movimentação deles, nos bastidores dos escritórios em Brasília, já teríamos a licitação em andamento.

    Quer uma pista? Leia o projeto da ponte turística e veja se o BID questionou tudo isso naquele projeto. Coincidentemente as ilações da Ponta Aguda.

    Não creio que termos essa ponte. A influência é muito grande. Mas quando a bizarrice daquele arco faraônico for erguido, sem ter mais opção de retorno como o Edf. América o é hoje, teremos um item na região central desfigurando toda a paisagem. E a imprensa? Inerte, se fazendo de João-Sem-Braço.

Deixe uma resposta