Páginas de notícias controladas por governos serão rotuladas pelo Facebook

Imagem: reprodução

O Facebook dá todos os sinais de que não quer ser acusado novamente de ser usado para interferir nas eleições dos Estados Unidos (e de outros países). Um desses sinais foi divulgado nesta semana: a companhia anunciou que, em breve, deixará claro quais páginas de notícias são controladas por órgãos governamentais.

Essa não é uma abordagem exatamente nova. O Facebook revelou em outubro de 2019 que iria informar sobre fontes de notícias financiadas ou controladas por governos. Demorou, mas finalmente essa proposta está sendo efetivamente colocada em prática, começando pelos Estados Unidos.

Para tanto, a rede social vai exibir “rótulos” em bibliotecas de anúncios, nas páginas e na seção de transparência destas. Esses avisos informarão ao usuário que aquela página ou conteúdo tem origem em um veículo total ou parcialmente controlado por um governo. O mesmo aviso poderá aparecer quando postagens dessas fontes forem exibidas no feed de notícias.

Basicamente, a ideia é fornecer um recurso que permita ao usuário ponderar sobre a informação que está sendo acessada. Veículos controlados ou financiados por governos podem disponibilizar conteúdo manipulativo, especialmente em períodos de eleição.

A Rússia, por exemplo, foi acusada de utilizar diversas redes sociais para influenciar a eleição de Donald Trump para a presidência dos Estados Unidos em 2016.

Para definir o que é um veículo controlado total ou parcialmente por um governo, o Facebook afirma ter consultado mais de 65 especialistas em mídia, governança e direitos humanos, e avalia outros aspectos, como se a estrutura de propriedade da organização é clara e se medidas para manter a independência editorial são adotadas.

“Nós também consideramos fatores específicos de cada país, incluindo a liberdade de imprensa”, explica o Facebook. Se uma organização considerar que foi rotulada por engano, poderá fazer uma apelação à companhia.

Algumas organizações já demonstram certo incômodo. O Engadget relata, por exemplo, que a Al Jazeera informou que esse tipo de aviso pode lhe causar “danos irreparáveis”. O veículo é privado, mas tem um membro da família real do Qatar como presidente do seu conselho.

Fonte: Tecnoblog

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta