Os vereadores e o pouco caso com a greve no serviço público de Blumenau

Foto: Sintraseb

Se não fosse o vereador Bruno Cunha (PSB), a greve dos servidores públicos de Blumenau passaria despercebida na Câmara Municipal. Ele foi o único entre os 15 parlamentares que referiu-a paralisação na tribuna  durante a sessão da última terça-feira, dia que o movimento foi deflagrado.

Bruno Cunha disse “que os servidores estão com razão de cobrar o INPC, que é um direito legítimo.”

Na esteira dele, em aparte, os vereadores Professor Gilson (PSD), Adriano Pereira (PT) e Aílton de Souza, o Ito (PR), também se manifestaram apoiando a greve.  Mas não usaram seus momentos na Tribuna para falar do movimento dos servidores.

Pelo que entendi, uma das ações do comando de greve será conversar com os vereadores, o que deve acontecer nesta quinta. Serão ouvidos?

ERRAMOS: o vereador Professor Gilson também se manifestou na tribuna sobre a greve, também afirmando que os servidores estão cobrando apenas um direito. Pedimos desculpas a ele e aos leitores.

1 Comentário

  1. É óbvio que os vereadores da base aliada do executivo não vão se manifestar sobre a greve , o patrão ficaria bravo . Mas ano que vem eles apoiam , será no de eleições .

    Seria prudente que os concursados informassem quem são e quantos comissionados cada
    vereador possui no executivo , talvez por este caminho consigam o apoio deles . Não são todos que possuem cargos comissionados no executivo , mas a maioria .

Deixe uma resposta