Os secretários do segundo mandato de Napoleão Bernardes

Foto: Eraldo Schnaider/Secom

Faltam dois meses para a posse do novo governo, o segundo de Napoleão Bernardes (PSDB), e as especulações já são grandes.

E o Informe Blumenau faz as suas.

O vice-prefeito Mário Hildebrandt e o vereador em final de mandato, Marco Antônio Wanrowsky, serão secretários. Wanrowsky pela sua dedicação na campanha e por seu projeto para eleger-se deputado em 2018. Hildebrandt por conta que o vice não receberá salário.

Em tese, as secretarias mais adequadas seriam a Saúde para o médico Marco Wanrowsky e Assistência Social para Hildebrandt, que ocupou esta pasta nas duas gestões de JPK. Mas não seria surpresa se eles ocupassem outras pastas. Eu apostaria na Assistência Social para Wanrowsky e Admnistração para Hildebrandt.

Os braços direito e esquerdo de Napoleão, Alexandro Fernandes e Jean Havenstein, certamente estarão na linha de frente, provavelmente na Finanças e no Gabinete.

Outro da confiança do prefeito, Paulo Costa, secretário de Gestão Governamental, só não fica se não quiser. Já havia manifestado interesse em dedicar-se a suas atividades privadas, mas ainda não definiu posição.

Quem também deve permanecer é Ricardo Stodieck, secretário de Turismo e presidente do Parque Vila Germânica, pela repercussão positiva do seu trabalho.

Valdair Mathias é tucano graúdo e histórico. Deve permanecer a frente do Samae.

Paulo França, ainda do PMDB, tem tudo para permanecer como secretário de Obras, apesar de vereadores da base governista o detonarem internamente. Mas foi importante na articulação para trazer o partido dele para o ninho do PSDB na campanha eleitoral e tem uma relação umbilical com o senador Dalírio Beber.

Na secretaria de Educação, tem a ex-secretaria, Helenice Luchetta, que tentou à reeleição, sem sucesso. O nome da atual gestora, Patricia Lueders, também tem chances.

Maria Regina Soar fez um bom trabalho na Saúde, mas tem a concorrência de Wanrowsky.

Na Administração, Anderson Rosa é elogiado, mas pouco provavelmente ficará. A vaga deve ser ocupada pelo vice-prefeito. O PP ocupou esta vaga até recentemente, com Roni Wan-Dall.

Na Fundação Municipal dos Esportes a possibilidade de volta de Sergio Galdino é grande, mas o PMDB namora a vaga, que poderia ir para Marcelo Georg, parceiro de Ericsson Luef, presidente da comissão provisória municipal do PMDB.

Nas demais secretarias, são vários pontos de interrogação.

Planejamento, Progem, Seterb, Serviços Urbanos, URB, Comunicação, Faema, Pró-Família, Fundação Cultural e as intendências do Garcia e da Vila Itoupava podem servir para acomodar os tantos interesses das coligação vitoriosa.

Ao contrário de 2013, quando apenas dois partidos estavam na coligação que elegeu Napoleão Bernardes, agora são 12 siglas no arco de alianças atual. Serão contempladas de alguma forma.

Foto: Eraldo Schnaider/Secom
Foto: Eraldo Schnaider/Secom

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta