Opinião: somos apenas mercadoria?

Foto: Agência Brasil

Por Aroldo Bernhardt – Professor

Hoje há uma nítida tentativa de demonizar qualquer tipo de intervenção estatal (exceto quando se trata de resgatar os bancos e outras medidas similares em favor dos mais ricos – vide crise de 2008). Exemplo concreto da consequência dessa tendência é a queda violenta na qualidade de vida (e de sobrevivência) da população brasileira. Entreguismo, favorecimento à plutocracia e brutal agressão aos direitos e aspirações da nossa gente crescem a cada dia.

Contudo, mundo afora, muitos economistas estão apontando as limitações dos mercados sob regulação frouxa. É o caso de prêmio Nobel de Economia de 2001 (Joseph E. Stiglitz) que no prólogo da última edição da obra “A Grande Transformação” do historiador de economia Karl Polanyi anotou: “Polanyi escreveu antes que os economistas modernos explicassem as limitações dos mercados autorregulados. Hoje em dia, não há apoio intelectual razoável para a proposição de que os mercados, por si mesmos, geram resultados eficientes, muito menos equitativos. (…) Existem também abundantes evidências na era moderna que apoiam esta experiência histórica: o crescimento pode gerar um aumento da pobreza”.

O cerne do pensamento de Polanyi é o substantivismo, que compreende a economia como um processo de interação do homem com seu ambiente natural e social, para a satisfação das necessidades humanas, tese que se opõe à da economia formal na medida em que essa só a entende na sua forma de mercado (falácia economicista). Ele denunciava que o Mercado (elevado à categoria central na Modernidade) e sua lógica utilitária transformariam tudo em mercadoria.

De fato se formos à história da economia, como o fez de forma sucinta porém altamente esclarecedora, o Prof. William Nozaki (http://bit.ly/2lSgr6i) constataremos que gradativa e inexoravelmente o Mercado cria a escassez ao converter bens comuns em patrimônios privados.

O ilustre professor também se baseou na pesquisa de Karl Polanyi para demonstrar como a terra, na ordem pré-capitalista, ficava fora das negociações de compra e venda, sujeitas que estavam a um conjunto diferente de regulamentações institucionais, até as grandes revoluções liberais do século XVIII.

Da mesma maneira as relações do trabalho, anteriormente ao capitalismo, entre mestres, artesãos e aprendizes e todas as questões periféricas a essas relações eram reguladas pelos costumes e hábitos das guildas. Em suma, o objetivo da mercantilização da terra e do trabalho foi o de precifica-los, de modo que o território, bem que antes era coletivo, alcançasse preço impeditivo para a maioria; e, quanto ao trabalho, visava a expropriação do corpo e dos saberes dos trabalhadores, coisas que antes eram bens personalíssimos. Tudo a ver com a reforma trabalhista imposta pelo ilegítimo governo Temer e agora aprofundada por Bolsonaro, ou não?

Contudo, tem muito mais. A questão da energia que, para atender as exigências do economicismo, foi transformada em bem escasso e centrada no petróleo ao longo do século XX (apesar das iniciativas de diversos inventores no sentido de estabelecer uma matriz energética abundante e de baixo custo – todas tecnicamente bem sucedidas). Em suma não necessariamente a energia precisaria ser transformada em bem escasso por dificuldades tecnológicas e técnicas, só o foi por exigência da lógica excludente do mercado. Tudo a ver com a cobiça das petroleiras sobre o pré-sal brasileiro e o entreguismo do Temer e agora da dupla Bolsonaro/Guedes. Ou não?

Evidentemente é importante reconhecer que esse economicismo (ou que a lógica do mercado) trouxe desenvolvimento econômico e tecnológico, mas também muita miséria humana e ambiental. E, portanto, o desafio colocado é estabelecer um modelo de Estado no tamanho adequado, eficaz, eficiente e com efetividade de modo a controlar os excesso e praticar a justiça social.

Em tempo, acabei de ler que a dupla Bolsonaro e Guedes pretendem mudar a Constituição de modo a não mais indexar o salário mínimo pela inflação. Relho nas costas do povo, de novo!

O grande desafio intelectual, portanto, é recolocar a dimensão política como fundamental (e não a economia) reconhecendo que somos antes de tudo “anthropos physei politikon zoon”, na perspectiva de Aristóteles.

2 Comentário

  1. Em tempo, acabei de ler que a dupla Bolsonaro e Guedes pretendem mudar a Constituição de modo a não mais indexar o salário mínimo pela inflação. Relho nas costas do povo, de novo!

    Relho nas costas foi o que o PT e sua quadrilha fizeram com com povo nos 13 anos de governo Petista, mentiram , roubaram , mandaram bilhões para Venezuela e outros países socialistas .
    Relho nas costas do povo é ver que ainda existem pessoas que defendem esta quadrilha e
    aplaudem o presidiário Lula . Se não gostma do que o Bolsonaro esta fazendo , mudem-se para Venezuela , país que sempre defenderam e ajudaram os ditadores a roubar .
    Mudem-se para Venezuela , estariam fazendo um favor aos brasileiros , mas não vão , sabe porque , porque defendem o socialismo , mas adoram viver de mordomias , nas costas deste mesmo povo que meteram o relho durante 13 anos .

  2. “E, portanto, o desafio colocado é estabelecer um modelo de Estado no tamanho adequado, eficaz, eficiente e com efetividade de modo a controlar os excesso e praticar a justiça social.”

    Ainda que não estamos plenamente na velocidade desejada para a profecia acima se realizar (justamente pela oposição golpista esquerdista ativa no Congresso) vislumbramos sinais positivos em nossa sociedade e economia como:

    1) A guerra Trump/China favorece nossas exportações na agropecuária e suínos.
    2) Nossa inflação está controlada o que favorece o consumo.
    3) Nossos juros nunca estiveram tão baixos!
    4) Tivemos crescimento econômico acima da expectativa no trimestre anterior!
    5) Reformas da Previdência e outras, assim como privatizações estão vindo gerando redução dos gastos governamentais e desvios políticos com troca de favores e benesses corruptivas tão comuns nas gestões golpistas passadas!
    6) A demanda das famílias brasileiras cresceu, ainda que lentamente, mas o importante: não houve mais retração.
    7) Investidores internacionais interessados em obras de infra-estrutura tão necessárias em nosso país (gerador de empregos).
    8) Construção civil com forte aumento de atividade! (geradora de empregos).
    9) Taxa de desemprego diminuindo.
    10) Taxa de violência diminuindo…

Deixe uma resposta