Opinião: planejamento previdenciário é necessário para uma boa aposentadoria

Foto: reprodução internet

Por Fátima Domeneghetti – advogada especialista em Direito Previdenciário e Direito do Servidor Público  

Garantir uma boa aposentadoria é o desejo comum dos trabalhadores, seja da iniciativa privada ou do serviço público. Porém, para conseguir um melhor e mais vantajoso benefício de aposentadoria, tanto em tempo de serviço, quanto no valor recebido, é essencial realizar o planejamento previdenciário, que nada mais é que planejar a aposentadoria.

Para isso é necessário simular o benefício nas regras existentes no Regime Geral – o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), ou no Regime Próprio de Previdência Social (RPPS), com o intuito de analisar qual é a melhor e mais rentável modalidade de aposentadoria.

Saber quais regras de aposentadoria se aplicam a cada caso e com isso projetar a aposentadoria dentro da regra mais vantajosa faz com que o servidor público ou o segurado do INSS saia na frente e evite ser pego desprevenido.

A aposentadoria é um ato irrenunciável e irreversível, além de ser uma matéria extremamente complexa e em constante mudança. Por isso o trabalhador deve ter muito cuidado na hora de requerer o benefício e saber se está escolhendo a melhor opção e se há outras mais vantajosas disponíveis junto ao Regime Geral ou no Regime Próprio.

Há inúmeros casos de pessoas que se precipitam e acabam recebendo aposentadorias erradas, com valores muito menores do que realmente teriam direito, tendo assim um enorme prejuízo.

Um bom planejamento previdenciário protege também o bolso do segurado, já que é comum as pessoas cometerem alguns equívocos. Um exemplo, é o trabalhador que paga a contribuição previdenciária ao INSS na qualidade de contribuinte facultativo com intuito de aumentar o valor da aposentadoria. Entretanto, no momento de requerer o benefício toma conhecimento que tais contribuições não integram o cálculo da aposentadoria.

Planejar a aposentadoria evita também que o segurado caia na tentação de se aposentar precocemente com regras desfavoráveis ou mesmo acabe averbando períodos que não serão contados para fins de aposentadoria. Além disso, auxilia a evitar erros e indica ao trabalhador o caminho mais adequado para atingir um benefício mais vantajoso e com isso evitar que o segurado desperdice dinheiro.

Desta forma, planejar a aposentadoria é quase uma obrigação tanto do servidor quanto do segurado do INSS.

Porém, esse planejamento deve ser feito por profissionais especializados no Direito Previdenciário, para garantir assim uma aposentadoria da melhor maneira possível.

3 Comentário

  1. Com as novas regras da Reforma da Previdência ninguém mais em breve irá conseguir se aposentar, assim, cada um terá que planejar seu futuro de reserva de patrimônio/aposentadoria.
    E a melhor aplicação hoje são fundos de ações ou compra direta de ações. Sempre pensando no longo prazo.
    Alguns fundos de ações já renderam até agora NO ANO entre 15 e 30%(poupança 2,70%) mesmo em Bancos grandes, em Corretoras há melhores fundos ainda!

  2. Olá Cícero, tudo bem?
    Bom o planejamento da aposentadoria depende muito do perfil de cada contribuinte. Tem contribuinte que se adapta melhor a uma previdência privada de forma a complementar o benefício do INSS, tem contribuinte que prefere trabalhar a renda e investir em ações e fundos de investimentos como você disse.
    Enfim, o importante é que se faça o planejamento previdenciário dentro do perfil de cada contribuinte de modo a garantir uma aposentadoria segura e vantajosa.

  3. Olá Domeneghetti, entendo a questão particular do perfil de cada um. Apenas informo que na atual conjuntura econômica de nosso país, com novas quedas que haverão na Selic, a poupança, CDI e previdência privada irão sofrer mais ainda! e com a iminente aprovação das Reformas Previdenciária e a Tributária depois, os cenários para a Bolsa serão (já estão) extremamente favoráveis com expressivos rendimentos!
    Sds.

Deixe uma resposta