Opinião: os outsider e a realpolitik

Foto: reprodução

Nos últimos anos tem crescido o protagonismo de instituições e atores oriundos do mundo jurídico na esfera política nacional. Aos poucos, temas que deveriam ser mediados no âmbito do poder legislativo ou decidido pelo poder executivo escorregaram para o judiciário. Paralelo a isso, a emergência da pauta do combate a corrupção transformou autoridades judiciarias, juristas e advogados em personalidades conhecidas e idolatradas pela população em geral. 

O caso proeminente é do ex-juiz e ex-ministro da justiça Sergio Moro e seu fiel escudeiro Deltan Dallagnol. Não foram os únicos. Figuras do mundo jurídico lançaram-se candidatos ou candidatas ao cargos no executivo e legislativo. De todos os espectros políticos.  Foi como se o estamento burocrático estatal buscasse controlar a política. Os atores jurídicos buscam dominar e controlar a esfera política com regras e procedimentos próprios da esfera jurídica. O resultado dessa transposição de esfera não tem sido de todo proveitosa. 

O Batman e o Robin de Curitiba saíram por hora de cena, pelas portas dos fundos depois de serem atropelados pelas revelações do site Intercept e pela ânsia de Bolsonaro em proteger seus filhos e os políticos do Centrão.  Há também o caso da ex juíza Selma Arruda (PSL-MT), conhecida como aMoro de saia”, foi cassada por caixa dois pouco mais de dois meses após assumir a cadeira de senadora. Sem contar Wilson Witzel (PSC-RJ), ex-juiz que enfrenta o processo de impeachment.

Na eleição municipal deste ano, dos 12 candidatos ao executivo temos dois candidatos com essa característica.  Ivan Nattz (PL) e Odair Tramontini (NOVO). Natzz já é um antigo conhecido do eleitor blumenauense. Advogado, deputado estadual, foi vereador, porém alavancou a sua carreira política como presidente da Associação Catarinense de Defesa dos Direitos Constitucionais. Uma associação fundada e mantida pelo político com o objetivo de lutar por causas populares e ambientais. Já é um político experiente, e já fez parte de partidos que vão da direita a esquerda.  apesar de gostar de se apresentar como um outsider

Odair Tramontini (NOVO) tenta utilizar seu trabalho como promotor público e Coordenador do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (GAECO) de Blumenau, para alavancar sua primeira experiência na corrida eleitoral.

 O combate a corrupção é um tema importante e consegue mobilizar voto. Porém, a experiência nacional recente tem demonstrado que no dia seguinte a vida real é diferente.  Esses agentes precisam lidar com os temas cotidianos da população. Criar metas, negociar, fazer acordo. Ser político. E para isso, não basta possuir habitus do mundo jurídico.  O prefeito deve conviver e saber jogar com as regras que são próprias do mundo político.

Essa é a realpolitik gostemos ou não!

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta