Opinião: os invisíveis

Foto: reprodução

Todos aqueles que vivem nas cidades os conhecem, mas são poucos os que os veem, os invisíveis. Quem sabe você possa já ter visto algum. Confesso que, eu mesmo, já passei por muitos. Eles estavam lá, ainda assim, eu não os via.

 Num dia desses, eu estava nas longas e demoradas filas de carro que rumavam ao Centro. Foi aí que o vi, O Invisível. Segurava um pedaço de papelão com umas poucas palavras escritas, algo sobre ter um filho pra criar ou que sofria com uma condição de saúde. Ele gesticulava, sinalizava, acenava, falava, sorria e agradecia. Tudo na esperança de ser visto por alguém nas caixas de ferro sobre rodas. Passou andando por entre as máquinas barulhentas, contando com sua sorte e gentileza para conseguir umas poucas moedas. Os motoristas que aguardavam impacientemente que o semáforo abrisse pouco davam atenção ao Invisível, as vezes nem olhavam em sua direção. Mas ainda assim, lá estava ele. O sinal abriu, os carros avançaram e vi O Invisível ficando para trás, até sumir na distância. 

Mas o mundo é engraçado, ele gira, e em uma de suas voltas me encontrei numa situação irônica. Resolvi ajudar uma ONG num pedágio, nos encontramos no semáforo na frente do antigo hotel Himmelblau, na Rua 7 de Setembro. Cheguei lá às 08 horas da manhã, o sinal fechou, os carros pararam, e não demorou muito até que eu percebesse que também me tornara invisível.

1 Comentário

  1. Amei o texto Os Invisíveis ! Ele retrata a humanidade em sua falta de compaixão diária. Pior q já estive nos dois lados dessa moeda, num pedágio também fui invisível… E no meu carro consegui tornar invisível um outro ser.

Deixe uma resposta