Opinião: o copo mais cheio…

Foto: reprodução

“Faça o que for necessário para ser feliz. Mas não se esqueça que a felicidade é um sentimento simples, você pode encontrá-la e deixá-la ir embora por não perceber sua simplicidade.”

Já bem pontuava Martha Medeiros.

Se tem algo que uma mãe atípica logo aprende é ver a felicidade nos mais simples momentos.

A criança de três anos que acabou de dar os primeiros passos.

A primeira vez que bebeu água sozinho no bebedouro da escola? Vale um textão no Facebook!

Desfraldou aos nove? Tem comemoração em casa e na escola e o bolso agradece também!

Quando nos livramos da obrigação de cumprir os marcos do desenvolvimento típico, tudo vira motivo de festa.

E isso precisa ser dito e repetido, porque ainda há muitas famílias por aí lamentando as conquistas que ainda não vieram, caindo na armadilha das comparações.

Se libertem dessas amarras, comemorem cada rabisco, cada sorriso, cada passo!

A vida fica mais leve e eles ficam radiantes quando percebem o quanto nos orgulhamos deles.

Aqui cabe uma memória…

Primeira apresentação do Nicolas da escola!

Teatro Carlos Gomes lotado, 15 crianças no palco e o Nicolas foi fácil de reconhecer.

Nosso magrelinho de cachos dourados não fez um passo da coreografia, passou cinco minutos dando a maior canseira no professor, tentando encontrar um jeito de pular do palco.

E nós?
Decepcionados?
Nunca!

Aquelas gargalhadas ecoavam pelo teatro e ele estava incrivelmente feliz e nós, realizados!

O segredo, queridos, é sempre ver o copo mais cheio.

Nem tudo que nos acontece podemos controlar, mas a nossa reação ao que acontece, essa sim, cabe a nós!

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta