Opinião: a força de uma narrativa

Foto: reprodução

Se tem uma coisa que o presidente Bolsonaro e sua equipe fazem bem é se comunicar, pelo menos para os seus. Passam aquela coisa que parece meio amadora, como se todas as atitudes fossem feitas de forma natural, buscando reforçar a imagem de homem simples, do povo, que veio para “salvar” o Brasil das mãos do comunismo.

Em meio a maior crise de popularidade desde que assumiu o Governo, há dois anos e meio, o presidente foi acometido por um problema de saúde, que o obrigou a parar no hospital.

Mas mesmo assim, deu um jeito de buscar reforçar sua imagem e a narrativa para seu público, associando a internação desta quarta-feira a  facada recebida na campanha eleitoral, em um episódio até hoje mal esclarecido. O autor foi preso, mas a motivação dele não é clara.

Não para o presidente e para seu grupo de comunicação, que diz que o responsável pela facada – portanto por ele estar novamente no hospital – é filiado ao PSOL, “braço esquerdo do PT”, que tentava impedir sua vitória eleitoral, buscando dar conotação política para um ato praticado por um desequilibrado.

Em suas redes sociais, o presidente falou em atentado, corrupção, riquezas, honestidade, orações, Deus….No mesmo dia que a pauta seria o encontro com os chefes dos Poderes, Supremo, Senado, Câmara, para debater harmonia e respeito às instituições democráticas.

Funciona bem para seus fieis seguidores.

1 Comentário

  1. Concordo plenamente… E essas internações até às eleições serão constantes. Tudo para fugir dos debates. Atenção Bolsonaristas, podem ficar tranquilos, vaso ruim não quebra.

Deixe uma resposta