O tiroteio na CPI dos respiradores

Foto: Rodolfo Espínola/ALESC

Pegou fogo o depoimento do secretário de Administração, Jorge Tasca, nesta terça-feira na CPI dos Respiradores. Sem estar no foco das investigações sobre a mal fadada compra dos equipamentos junto a Veigamed, convidado como testemunha – como todos outros -, foi inquirido como suspeito por alguns dos membros da CPI.

Em especial pelo relator, deputado Ivan Naatz (PL), que, mais de uma vez fez questão de destacar questões funcionais que teriam beneficiados Tasca, tenente-coronel da PM na reserva, um assunto que não é alvo da investigação.

A tranquilidade e o enfrentamento adotado pelo secretário também contribuíram para acirrar os ânimos. Naatz chamou ele de prepotente e Milton Hobus (PSD) de mal educado.  Kennedy Nunes também foi contundente nos questionamentos.

“Comportamento e falas suas precisam ser questionadas”, afirmou Tasca sobre alguns deputados, mirando Ivan Naatz: “o senhor dissemina fake news aqui.

O relator foi irônico muitas vezes: “o senhor gosta de fazer o enfrentamento, é prepotente…”, “…o senhor não está no quartel”, “os senhores permitiam que SC fosse roubada”, “tinha que ter mais gente presa” foram algumas das falas.

Milton Hobus perdeu a paciência quando o secretário teve tempo para suas considerações finais, que foram interrompidas: “Só faltava nós, deputados, ver o senhor fazer propaganda deste Governo”, bradou Hobus, aliado do ex-governador Raimundo Colombo.

Jorge Tasca pouca luz trouxe de novo para as investigações. Defendeu muito o governador, o ex-secretário da Saúde Helton Zeferino e o atual André Motta Ribeiro e confirmou o que toda Santa Catarina já sabe, a ineficiência administrativa do Estado nesta negociação. No mínimo.

A postura dele e de alguns deputados incendiou um depoimento sem revelações.

2 Comentário

  1. Lugar de ladrão é na cadeia com ou sem pizza e com devolução dos recursos ao Estado.
    Também cancelem eleições e destinem dinheiro do fundo eleitoral para a pandemia e socorro dos mais necessitados JÁ!

Deixe uma resposta