O diferente perfil dos deputados do “Vale do Itajaí”

Na quarta-feira da semana passada, o prefeito de Blumenau, Mário Hildebrandt (sem partido), perambulou por Brasília. Como Blumenau não elegeu deputado federal, suas (poucas) referências na capital federal são Rogério Peninha Mendonça (MDB) e Gilson Marques (NOVO).

São dois perfis bastante diferentes.

Peninha é veterano na política, onde obteve seu primeiro mandato em 1988, como vice-prefeito de Ituporanga, no Alto Vale do Itajaí. Está no seu terceiro mandato como deputado federal. É da base governista do governo Jair Bolsonaro (PSL), de quem é amigo e um dos principais interlocutores para SC.

Gilson é advogado e empresário e está na sua primeira experiência como político, já garantindo vaga para a Câmara, sendo a maior surpresa da última eleição para o parlamento no estado. Seu partido também apresentou candidatos pela primeira vez em 2018.

Os dois tem visões e posturas diferentes na política.

Gilson tem pautado sua atuação pela transparência e pela redução de despesas do seu mandato e tem participado ativamente de debates macros, em especial, o da Reforma da Previdência.

Peninha faz o trabalho formiguinha, de tentar obter intermediar pleitos de prefeitos e vereadores de cidades catarinenses, em especial do Vale do Itajaí. Marca conversas e audiências na capital federal, orienta e acompanha projetos e busca encaminhar emendas.

Gilson Marques não concorda com a forma de distribuição de emendas e não se considera um deputado de Blumenau ( ele que é de Pomerode) ou do Vale e sim de Santa Catarina. Parece não ter muita paciência com o jogo da política “tradicional” ou política “real”, sem aqui fazer juízo de valor.

Peninha é o pragmático, Marques o sonhador, talvez utópico. Cada um com suas convicções e suas verdades.

Qual perfil que você considera mais importante para te representar como eleitor?

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta