Mudanças no crédito rotativo do cartão de crédito

O Conselho Monetário Nacional tomou uma medida importante para evitar o afundamento ainda maior das pessoas endividadas com os juros cobrados pelos cartões de crédito. Decidiu nesta quinta-feira, 26,  que as administradoras dos cartões  poderão financiar o saldo devedor dos clientes através crédito rotativo por apenas um mês, evitando aquilo que conhecemos como bola de neve das dívidas pessoais.

Até agora, o usuário que não pagasse a totalidade da fatura, poderia usar o crédito rotativo quantas vezes precisasse, mas o saldo devedor era corrigido com juros elevadíssimos. A partir de abril, o crédito valerá até o pagamento da fatura seguinte. Depois o saldo devedor deverá ser negociado em uma outra linha de crédito oferecida pela instituição financeira, com juros menores.

O Banco Central quer com isso diminuir os juros e os “enforcados”, no caso os inadimplentes.  Dados do BC apontam que a inadimplência no crédito rotativo é, em média,  de 37% para pessoas e de 59% para empresas. Já o crédito parcelado tem inadimplência muito menor, de  1,1% para pessoas físicas e 2,3% para empresas.

Ainda de acordo com a nota oficial do Banco Central, dos R$ 700 bilhões movimentados anualmente pelos cartões de crédito no Brasil,  R$ 37 bilhões estão no crédito rotativo.

A medida vale para todos os tipos de cartão, exceto para os cartões de crédito consignado. Por envolver desconto nos salários dos clientes, o crédito consignado, explicou o diretor do BC, envolve riscos menores de inadimplência.

 

1 Comentário

  1. Deveriam impor regras mais rígidas para a concessão de cartões.. .este instrumento de crédito e excelente…mas para quem sabe utilizar.

Deixe uma resposta