MP denuncia Flávio Bolsonaro e Fabrício Queiroz por “rachadinha”

Fotos: reprodução

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) denunciou o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) e Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador no período em que ele foi deputado estadual no Rio de Janeiro, no inquérito da “rachadinha”. Flávio foi apontado como o líder de uma organização criminosa que agia para lesar os cofres públicos por meio do desvio de parte do pagamento de funcionários do seu gabinete na Assembleia Legislativa (Alerj). Queiroz seria o operador do esquema de corrupção que funcionava no antigo gabinete.

Ambos foram acusados pelos crimes de peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa. A denúncia possui cerca de 300 páginas. De acordo com o MP, Flávio Bolsonaro usou, pelo menos, R$ 2,7 milhões em dinheiro vivo do esquema das rachadinhas. os valores foram descobertos por meio da quebra dos sigilo bancário e fiscal do senador.

O caso começou a ser investigado em 2018 como um desdobramento da Operação Furna da Onça, que mirou justamente irregularidades em gabinetes de deputados estaduais do Rio de Janeiro. Flávio Bolsonaro não foi investigado nessa operação.

Mas um relatório elaborado pelo antigo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) apontou uma movimentação atípica de R$ 1,2 milhão na conta de Queiroz, policial militar da reserva e então assessor do deputado Flávio Bolsonaro. O relatório veio a público em dezembro daquele ano.

A suspeita é de que o gabinete de Flávio na Alerj obrigava os funcionários contratados a devolver parte do salário recebido, a chamada “rachadinha”. Segundo o MP, o esquema era operado por Queiroz, que fazia os saques em dinheiro vivo e os repassava ao então deputado.

Quando o caso veio à tona, Queiroz evitou prestar depoimento e iniciou um tratamento de saúde. O paradeiro era incerto até junho deste ano, quando ele foi preso na casa do advogado Frederick Wassef, em Atibaia (SP), na Operação Anjo. Wassef era advogado de Flávio na investigação até aquele momento.

Queiroz foi trazido ao Rio para cumprir a prisão em Bangu, mas um habeas corpus do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), permitiu que ele fosse para prisão domiciliar.”

As informações são do jornal O Globo via Gazeta do Povo

1 Comentário

  1. É Bolsominio….uma hora a sua máscara irá cair….junto com o da sua família

Deixe uma resposta