Ex-diretor da Odebrecht fala em coação para “construir um relato” no caso do sítio de Atibaia

Carlos Armando Paschoal, ex-diretor-superintendente da Odebrecht. Foto: Mastrangelo Reino/Folhapress

Caso do sítio de Atibaia

Carlos Armando Paschoal, ex-diretor-superintendente da Odebrecht, disse à Justiça em São Paulo que foi “quase que coagido a fazer um relato sobre o que tinha ocorrido” e que teve que “construir um relato” no caso do sítio de Atibaia. O processo da Operação Lava Jato rendeu a segunda condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O ex-diretor, que também foi condenado no mesmo processo, ainda fez uma crítica aos procuradores da força-tarefa. Paschoal prestou depoimento no TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) no último dia 3 de julho como testemunha em um processo sobre improbidade administrativa contra o ex-secretário-executivo do Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações do governo Michel Temer (MDB), Elton Santa Fé Zacarias. O caso não tem relação com os processos contra Lula.

Com informações do UOL

Inquérito suspenso

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, acolheu pedido da defesa do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) – um dos cinco filhos do presidente Jair Bolsonaro – e suspendeu temporariamente todas as investigações em curso no país que tenham como base dados sigilosos compartilhados pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) e pela Receita Federal sem autorização prévia da Justiça.

Ministro responsável pelo plantão no recesso do Judiciário, o presidente da Suprema Corte assinou a decisão nesta segunda-feira (15), mas o conteúdo foi divulgado nesta terça (16).

Filho na embaixada

Para o presidente Jair Bolsonaro a indicação do filho Eduardo Bolsonaro como embaixador do Brasil nos EUA “está definido”. O presidente destacou, no entanto, que ainda faltam algumas etapas antes de oficializar a indicação.

“Da minha parte está definido. Conversei com ele [Eduardo] acho que anteontem [domingo]. Há interesse. A gente fica preocupado, é uma tremenda responsabilidade. Acho que, se tiverem argumentos contrários, que não seja isso, chulo que se fala por aí. Não é nepotismo, tem uma súmula do Supremo nesse sentido”, disse o presidente nesta terça-feira (16).

Fonte: G1

Resumo do Brasil: ex-diretor da Odebrecht fala em coação para “construir um relato” no caso do sítio de Atibaia e a pedido da defesa de Flávio Bolsonaro (PSL), Toffoli suspende investigações com dados do Coaf e Receita Federal.

 

1 Comentário

  1. O sitio de Atibaia é de Lula , Bolsonaro esta errado em indicar o filho para embaixada amercicana e Dias Toffoli errou ao aceitar o pedido da defesa do Senador Flavio Bolsonaro .

    Quando será que teremos pessoas sérias nos cargos políticos deste país . Já não basta o que a turma do PT e seus aliados fizeram em 13 anos , será que só mudou as moscas ?

Deixe uma resposta