Em sessão histórica, totalmente virtual, Câmara aprova novo parcelamento de dívida do executivo com ISSBLU

Foto: redes sociais

A Câmara de Vereadores de Blumenau realizou na tarde desta terça-feira, 24, a primeira sessão ordinária remota da sua história. O presidente Marcelo Lanzarin (sem partido) e o primeiro secretário Almir Vieira (PP) estiveram presencialmente no plenário da Casa, entretanto os demais vereadores realizaram as votações de forma remota, através do sistema legislativo online acessado de dispositivos móveis.

Foram aprovados, nas sessões ordinária e extraordinária dessa tarde, três projetos de lei em redação final, além de requerimentos e uma moção. Antes da sessão, dois projetos de autoria do Executivo que estavam na pauta foram apreciados pelas comissões permanentes. Todos os projetos aprovados seguem para sanção do prefeito.

Um dos projetos aprovados foi o Projeto de Lei Complementar 1.939/2020, que autoriza o parcelamento de débito previdenciário devido pelo município de Blumenau ao ISSBLU, no valor total de R$ 17,1 milhões, em 48 parcelas sucessivas. O parcelamento já foi aprovado pelo Conselho Administrativo do ISSBLU em reunião no dia 10 de março, segundo justificativa encaminhada pela prefeitura juntamente com o projeto. A matéria tramitou em regime urgentíssimo e foi aprovada por 10 votos favoráveis, dois votos contrários e duas abstenções.

Outra aprovação importante foi a abertura de créditos adicionais no orçamento, facilitando o remanejamento de verbas pela Prefeitura.

Na sessão virtual, o presidente Marcelo Lanzarin formalizou o anúncio de ações que fez um pouco antes, as iniciativas que a Câmara de Vereadores fará para auxiliar a prefeitura no enfrentamento à pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

Informou que partiu dos vereadores a sugestão da criação de um fundo gerido pelo Poder Executivo para aplicação de recursos que serão utilizados para diminuir os impactos da doença. Por ser uma prerrogativa do Executivo, a Câmara aguarda o envio, pela Prefeitura de Blumenau, do projeto de lei que criará esse fundo e, tão logo seja criado, irá depositar, de forma imediata, o valor de R$ 1 milhão, proveniente do fundo que a Câmara possui para a construção de sua sede própria. A intenção é que esses recursos sejam utilizados na compra de equipamentos de proteção individual (EPIs) para os trabalhadores da saúde das redes pública e privada da cidade.

Lanzarin ainda anunciou que em comum acordo com os vereadores, a Câmara irá repassar mensalmente as sobras do duodécimos economizadas pelo Legislativo para que a prefeitura aplique nas ações de combate ao novo coronavírus. A perspectiva é que sejam repassados R$ 8 milhões no total ainda em 2020, sendo R$ 1 milhão de forma imediata e R$ 7 milhões ao longo dos próximos meses, para garantir o pagamento em dia dos servidores municipais, principalmente da área da saúde.

O presidente ainda disse que a Câmara vai compor uma comissão para acompanhar a aplicação dos recursos desse fundo, e que os vereadores estão se reunindo remotamente e discutindo outras medidas para auxiliar a cidade nesse momento. “A Câmara de Vereadores não tem se mostrado omissa. Pelo contrário, os vereadores estão atuantes, discutindo constantemente ações e enviando sugestões através de requerimentos e indicações ao Executivo”.

Também orientou os vereadores a ficarem atentos a uma eventual convocação para uma reunião extraordinária, assim que o projeto de lei que propõe a criação do novo fundo para o combate ao coronavírus chegar ao Legislativo.

Fonte: da redação, com informações da assessoria de imprensa CMB.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta